Viriatada Dezembro #1: Cabrita, Cuca Roseta, Júlio Resende, Moullinex, Solitário, entre outros

Viriatada Dezembro #1: Cabrita, Cuca Roseta, Júlio Resende, Moullinex, Solitário, entre outros

Mariana Matos

Esta é a Viriatada, o espaço que acolhe alguns dos lançamentos da música portuguesa desta semana.

JÚLIO RESENDE – “Profecia” feat Lina// “Profecia”, com letra e música originais de Júlio Resende, e com a interpretação da fadista Lina, é o tema que encerra o álbum “Júlio Resende Fado Jazz Ensemble”. Foi a primeira vez que o pianista assumiu a letra de uma canção, sendo este o único registo cantado deste trabalho e que conta agora com um lyric vídeo no Youtube. Nas palavras de Resende: «Há uma mulher que espera, por quem não sabe esperar. Ela mostra-lhe o caminho. Ele escolhe outro lugar.” As profecias são textos misteriosos, alguns trágicos, alguns esperançosos. Assim como a vida com os seus vários lados, como os cubos mágicos que tentamos resolver, girar, ter paciência, encontrar a correspondência certa e ir girando até ter todos os lados bem bonitos e condignos. Se no final não conseguirmos, pelo menos tentámos e fomos aproveitando o tempo pelo caminho. Aproveitar as várias geometrias do amor para fazer a nossa própria casa. Uma casa sem igual. Eis um bom modo de construir uma relação.» “Júlio Resende Fado Jazz Ensemble” será apresentado ao vivo dia 15 de dezembro, no Teatro Thalia, em Lisboa, pelas 19h00.O concerto-festa acontecerá por ocasião do encerramento das comemorações dos 25 anos do MCTES e dos 200 anos do Teatro Thalia. Este será um evento intimista, onde se poderão ouvir pela primeira vez ao vivo os 9 temas originais compostos por Júlio Resende, e com a participação dos músicos Alexandre Frazão na bateria, André Rosinha no contrabaixo e Bruno Chaveiro na guitarra portuguesa.

CUCA ROSETA – “Meu”// «Meu é o disco mais verdadeiro e pessoal de Cuca Roseta.» O novo álbum da fadista foi apresentado no dia do seu aniversário, dia 2 de Dezembro, num evento em live streaming, a partir de uma sala de estar, à volta de uma lareira, num jantar informal, onde convidou o seu público a ouvir em primeira mão as novas músicas, na maior intimidade, como se ali estivessem a participar nesta dupla celebração. Se não tiveste a oportunidade de acompanhar, podes ver, aqui. Nos últimos anos, deu por si a deitar cá para fora perto de 80 músicas. Dessas largas dezenas, o palco e o público encarregaram-se de lhe mostrar quais se destacavam e mais afirmavam a sua marca autoral, urgindo fixar em estúdio. E foi-se tornando mais claro para aqueles que vivem com Cuca o seu dia-a-dia musical o quanto estava na altura de gravar um álbum apenas com as suas criações. Daí que Cuca tenha escolhido batizar este novo álbum com o título “Meu”.

CABRITA- “Never Gonna Give It Up” ft Everybody// “Never Gonna Give It Up” é o único tema cantado do disco de estreia de Cabrita e ganha agora um vídeo e encerra, assim, a saga da curta metragem realizada por Miguel Leão. Em uníssono juntam-se a Cabrita as vozes de Tamin, Silk, Susana Félix e Selma Uamusse, convidados e companheiros de uma vida de estrada, para uma canção que acaba por representar a esperança e resiliência de muitos músicos nos dias de hoje.

VIRGUL- “Júbilo”// Virgul lançou o seu segundo álbum a solo, “Júbilo”, o sucessor de “Saber Aceitar”, editado em Novembro de 2017, que incluía grandes sucessos como “I Need This Girl”, “Só Eu Sei” ou “Rainha”. Este novo projecto traz mais 13 temas novos, sendo que alguns já são conhecidos do público, visto que foram lançados como single, é o caso de “Difícil Demais”, “Cada Um No Seu Lugar” e “Dividir Amor”. De destacar também a inclusão do bónus track de uma versão acústica de “All We Need Is Love” lançado em pleno confinamento. O álbum foi todo gravado nos estúdios da RedMojo com excepção de All We Need Is Love (Acustico), gravado nos Eight Ball Studios, e contou com ilustres participações de Sam The Kid, Dino D’Santiago e Jon Luz.

COASTEL- “I hate love songs”// António Milheiro da Costa apresenta-se como Coastel e agora traz-nos um novo single. “I hate love songs” é um tema irónico e o músico explica: «não quer dizer que realmente desgoste qualquer música que aborde o amor. Significa apenas que não gosto de escolher temas para escrever com o puro intuito de apelar às massas». Assim, de forma a representar esta linha de pensamento, Coastel construiu uma canção com o balanço de uma balada, mas com uma letra que reflete a antítese disso mesmo. “I hate love songs” foi gravada nos Factory Studios e produzido por Johnny Barboza.

ZÉ TÓ LEMOS- “Cinematic”// “Cinematic” é o primeiro EP de Zé Tó Lemos e é composto por seis temas originais, todos eles com ambientes e abordagens diferentes. Masterizado em Londres por João Lebre, gravado em Portugal e concebido na totalidade em altura pandémica, “Cinematic” já está disponível nas plataformas digitais. 

SLR- “LIT”// “LIT”, ou seja, “Lost in thoughts”, é novo single dos SLR composto durante a pandemia. O tema fala sobre os pensamentos que surgem quando nos sentimos numa prisão mental, emocional e física. Como o isolamento social se tornou a nossa rotina e nos encheu de pensamentos sobre o contacto humano. A “LIT” canta sobre este calor do toque de outra pessoa e a necessidade de amor e paixão. Esta é a antecipação para o primeiro lançamento de média duração do grupo, que se prevê para o início de 2021. A canção surge de mais uma parceria com Choro que toma a produção da mesma em conjunto com Luís Água.

RUA DIREITA- “Bem Me Quer”// “Bem Me Quer” é o lado B do duplo single editado em Julho deste ano e conta igualmente com a produção de Pedro Pode (S. Pedro). Os Rua Direita são um duo formado por Donato Rosa e Paulo Ladeiras e estrearam-se em 2017 com a canção “Mariana”. Seguiu-se depois a edição do disco de estreia, homónimo, e do tema “Para Sempre”.

SOLITÁRIO- “A Luta dos Filtros”// No ano de uma pandemia que nos empurrou para viver ainda mais digitalmente, “A Luta dos Filtros” é uma reflexão em formato pop mordaz, de como nos podemos facilmente perder num dia a dia de filtros. SOLITÁRIO é o alter-ego de João Campos [Gula, Her Name Was Fire], criado durante a quarenta como necessidade de tentar fazer sentido desta estranha nova realidade, através de novos caminhos musicais fora da sua zona da conforto. Deixando as guitarras de lado, mergulhou no mundo dos sintetizadores, até agora pouco explorados pelo mesmo. O primeiro Ep do projecto Solitário, “Temporal”, está agora disponível nos serviços de streaming através da distribuidora digital Level:UP. Este trabalho move-se entre o pop sombrio e industrial, ambientes negros contrastados com melodias pop. Seis reflexões sobre o que é viver no ano mais estranho que a humanidade alguma vez experienciou – A actual pandemia, as redes sociais, o passado e o quão negro o futuro pode parecer.

LOGG- “Estrelas”// “Estrelas” é o novo single de LOGG e antecipa a apresentação do seu novo EP “LOGGin”. O tema foi gravado em Espanha com o produtor Juan de Díos, produtor e compositor já nomeado para os Latin Grammys.

FILIPE KARLSSON- “Modéstia à Parte”// Filipe Karlson laçou o seu novo EP “Modéstia à Parte”. Criado em confinamento é um disco que nos provoca através de um groove elétrico dos anos 80. Numa altura de incertezas e de frustração, Karlsson promete trazer-nos, através das suas melodias viciantes e lírica descontraída, uma receita de retorno aos tempos em que tudo era perfeito na sua imperfeição.

PIECE OF CAKE- “I Will Be Alright”// “I Will Be Alright” é o novo single do EP “A Stranger On This Mirror”. Composto por 4 temas originais, este trabalho conta com as participações de Pedro Henriques na voz, Mário Peniche no baixo eléctrico e Rodrigo Almeida na guitarra eléctrica. O design gráfico foi da responsabilidade de Mike Lopes, já as gravações misturas e masterização decorreram no StudioOne por João Pedreira, com produção de Lito Pedreira e Tiago Pais Dias.

ADAMANT CODE- “Pain and Struggle”// “Pain and Struggle” é um dos temas que compõem o EP “PRESCRIPTION” dos Adamant Code, que tem data prevista de lançamento para Dezembro de 2020. O grupo investiu neste projecto desde 2018 e o seu objetivo é ajudar as pessoas a superar determinados problemas através da sua música, abordando vários temas que são facilmente relacionáveis. Consideram-se um grupo híbrido, porque misturam vários géneros musicais desde hip hop, classic rock, metal, pop, R&B e punk.

MOULLINEX- “Inner Child” ft GPU Panic// “Inner Child” é mais um passo no caminho até ao novo álbum de Moullinex “Requiem for Empathy”. Com o novo single fica também disponível a pré-reserva em formato vinil do disco com data marcada para dia 26 de Março de 2021. “Inner Child” conta novamente com a companhia de GPU Panic, que empresta a sua voz e nos guia nesta viagem. “Requiem for Empathy” conta com as vozes de Sara Tavares, Selma Uamusse e Afonso Cabral, e a mistura de David Wrench (Caribou, Frank Ocean, The XX). O disco é ainda enriquecido com uma capa de Bráulio Amado, num jogo de sombras tanto na fotografia como na arte 3D. No seguimento da criação do novo álbum de Moullinex, com o foco principal no conceito e significado de empatia, o artista será o primeiro convidado a fazer parte da residência do projecto Espaldar, de 13 a 20 de Dezembro. Uma residência artística onde Moullinex criará, juntamente com a banda, outros músicos, uma equipa de neurocitentistas e artistas visuais, um laboratório para estudar a empatia.

NUNO CÔRTE- REAL, ANA QUINTANS E ENSEMBLE DARCOS- “Time Stands Still”// O disco “Time Stands Still” é uma revisitação moderna, de Nuno Côrte-Real, das canções do compositor inglês John Dowland. Nesta versão, os temas são cantados por Ana Quintans e intercalados com obras originais de Côrte-Real, em jeito de homenagem a artistas que o compositor admira. Esta obra conta ainda com a colaboração dos Ensemble Darcos, um dos mais prestigiados grupos de câmara portugueses da atualidade, e o grupo foi criado em 2002 pelo próprio Nuno Côrte-Real.

VIVIANE- “Oh! Meu pequeno país”//  “Oh! meu pequeno país” é o novo single de Viviane. O tema é inspirado em Portugal e foi o vencedor do Prémio Portugal a Descobrir Portugal, organizado pela SPA e que contou com os músicos Renato Júnior, Miguel Ângelo e Paulo Furtado como júri.

LUAR, LEFT. E SARA CRUZ- “Rest”// “Rest” nasce no meio da confusão, quando três artistas durante a quarentena, em três lugares diferentes do país, no caso Algarve, Lisboa, Açores, juntam-se para cantar sobre aceitação. “REST” é o primeiro fruto da nova plataforma de colaboração, “Avalanche”, um colectivo formado por músicos independentes que pretende organizar, promover e facilitar a colaboração entre a comunidade artística portuguesa.

LUNNAR LHAMAS- “Rave Indicação”// O projeto barreirense de música eletrónica experimental apresenta o seu mais recente álbum “Rave Indicação”, um manifesto pela exaltação da dança e liberdade rítmica. Nestes tempos silenciosos, em que a dança parece uma memória distante e difusa, surge a premência de descobrir um novo caminho em que o corpo e o espírito se possam libertar. “Rave Indicação” conta com oito faixas originais, tocadas ao vivo pela dupla entre 2018 e 2020, e misturadas posteriormente por George Silver e José Veiga (ZZY). O álbum estará disponível, em formato digital, no bandcamp e em formato físico – CD.

EGITANA