Viriatada Dezembro #3: Best Youth, Slow J, Mancines, Cosmic Mass, Mito, O Gajo, entre outros

Viriatada Dezembro #3: Best Youth, Slow J, Mancines, Cosmic Mass, Mito, O Gajo, entre outros

Redacção

2020 está a chegar ao fim, mas ainda há tempo para ouvir alguns dos últimos lançamentos de vários artistas portugueses.

BEST YOUTH – “Bittersweet Symphony”// Em modo de balanço e quase de exorcização do ano que agora termina, a dupla Best Youth publicou ontem nas suas redes sociais, uma declaração em que transmite aos seus seguidores algumas das suas expectativas e ansiedades para 2021. Um statement em registo confessional ilustrado com a publicação de uma releitura do tema “Bittersweet Symphony”, um original do grupo The Verve editado em 1997. Uma canção emblemática da banda inglesa em que Catarina Salinas e Ed Rocha Gonçalves encontraram a tradução do seu “estado de alma” neste mudança de ano.

SLOW J – “Lo-fi”// Num ano em que todos tivemos de aprender a recolher e olhar para dentro, Slow J sentiu que o estilo “Lo-fi” foi ficando cada vez mais presente no seu dia-a-dia. Dessa experiência nasceu “sLo-fi”, um projecto que une a calma e o minimalismo dos beats “Lo-fi”, com a qualidade de produção de Slow J. Uma produção caseira que «relaxa e leva a mente onde, por agora, o corpo não pode ir.» Além da playlist, sLo-fi mereceu também uma edição limitada num formato físico muito particular, disponível para compra em senteisto.com. Todas as músicas de “sLo-fi” foram produzidas e misturadas por Slow J, contando com a ajuda de Pedro Dias (baixista) na faixa 9 e a masterização de Guilherme Vales.

MITO – “Vida de Cão”// Este é o primeiro avanço de “A Razão é Óbvia”. As palavras do disco de estreia de MITO, composto por 10 temas a editar no começo do próximo ano, e deste primeiro tema em particular, “Vida de Cão”, não deixam de carregar uma verdade e um romantismo profundo quando proferidas pela boca de Pedro Zuzarte, compositor e vocalista que largou Direito na Universidade Clássica para levar uma vida de criação – dividida entre o fazer música e o fazer vinho. A outra metade da banda é Manuel Siqueira, guitarrista e multi-instrumentista que partilha uma amizade e uma colaboração musical com o Pedro há mais de uma década. Estes nomes não surgem agora no panorama musical português, tendo já uma carreira de três discos lançados com a banda Lotus Fever, da qual são ambos fundadores. Tocaram em grande parte das rádios nacionais e deram concertos por todo o país. Para a realização do teledisco que acompanha a distribuição da canção, MITO convidou Joana Linda, realizadora, que trouxe para o universo do grupo uma visão quase que literal e fotográfica de “Vida de Cão”.

VEENHO – “Insolência”// “insolência” é o segundo single de regresso dos VEENHO. Depois de “meio ausente”, lançado em Abril deste ano tão atípico, chega-nos agora mais um single de avanço de “Lofizera”, o LP de estreia da banda lisboeta, que terá selo da Hatsize e da Xita Records. «“insolência” é fiel à imagem de marca dos VEENHO: uma colagem punk indie de baixa fidelidade. Os seus 2 minutos e pouco, como manda a regra, são mais do que suficientes para nos surpreender e agarrar.» Conta com um teledisco realizado por Xipipa (que partilhou a Direção Criativa com Beatriz Valleriani e Martim Brito) e já pode ser ouvido em todas as plataformas digitais.  “insolência” mostra-nos uns VEENHO mais adultos, mais certos do seu som e do que querem, e têm, para dizer e fazer. Este novo single conta vozes de Primeira Dama, companheiro de editora(s) e com quem Martim Brito também toca bateria, e masterização de João Casaes (Transfusão Noise Records), que, entre outras coisas, tocou baixo com os Built To Spill e masterizou “Paraleloplasmos” e “Todas as Brisas” de Lê Almeida, algumas das maiores referências da banda.

SMOKE HILLS – “Mitradeira”// O novo single marca o inicio de uma nova era para o duo artístico. O seu estilo singular desafia as convenções tradicionais do género e impulsiona a banda para um novo patamar criativo. O conceito visual do novo single resultou de uma colaboração criativa com o artista O Empalador. A banda nasceu a partir do desejo compartilhado de explorar o universo do Hip Hop de uma forma versátil e experimental. Em 2020, surge o primeiro projeto, “Homem do Século 20”. Mais tarde é lançado o álbum de estreia, “Monte Salvado. Agora podes ouvir o novo single, “Mitradeira”.

INÊS ASPER – “Vem Ver Se Cá Estou”// Este é o single de estreia de Inês Asper. «Vive de um universo, mas bebe daquilo que a rodeia. “Vem ver se Cá Estou” é rock, mas também pop. A palavra é peça central da obra e a língua portuguesa o instrumento utilizado para a dissecar. Aborda aquilo que a artista vê  atualmente como um dos maiores problemas na construção de relações – os rótulos e o culto pela imagem. Quando tantas vezes a ligação emocional é deixada para segundo plano, Inês Asper clama pela falta que isso faz num mundo onde a bipolarização e o conflito são o prato do dia.»

KADYPSLON – “Hip Hop Messiah// “Hip Hop Messiah é o segundo longa duração lançado por Kadypslon. Este projecto volta a oferecer o Boom Bap cru que os seguidores já estão acostumados. «Carregado de temas emocionais e de profunda espiritualidade, é mais uma tentativa de” resgate” do ser humano, mais uma oportunidade de se refletir e repensar as nossas crenças, convicções e comportamentos. “Hip Hop Messiah” é uma lufada de ar fresco na cena do Hip Hop Tuga, um conceito que foge à tendência atual para se aproximar à raíz da Cultura.» Embora já esteja disponível nas plataformas digitais para audição, o formato físico irá ser lançado em 2021 como edição limitada.

TRISTA – “Ghost”// “GHOST” é a segunda faixa do álbum que Trista está a preparar. Trista, membro dos Instinto26, cria neste projeto o seu próprio mundo, e em particular, um personagem. Todos os temas e respetivos videoclips estarão relacionados entre si, criando uma história. No entanto, estas partes da história não serão apresentadas por ordem, serão sim divulgadas como um puzzle cujas peças estão baralhadas. Caberá a cada um construir peça a peça o puzzle, que ganhará sentido no final. “Ghost” será dos últimos episódios da história: aqui o personagem é baleado e começa a ter visões do passado. Estas visões serão uma pista para o que podemos esperar a seguir. 

MANCINES – “Some Rise”// Depois de “Is This a Go!“, os Mancines apresentam o segundo single/vídeo. “Some Rise”, com letra de Raquel Ralha, leva-nos num passeio por les uns, les autres, vestindo da mais refinada pop as mentiras de que se vestem e alimentam. O vídeo parte de uma ideia de Pedro Renato, que também assina a composição, e conta com a realização de Bruno Pires que explorou cores frescas e naturais que combinam na perfeição com a leveza e elegância inegável do último álbum “II”. “II” é o segundo álbum de originais dos MANCINES, a banda de Coimbra composta pelos irrequietos Raquel Ralha (Wraygunn, Belle Chase Hotel, Azembla’s Quartet, The Twist Connection), Toni Fortuna (d3ö, Tédio Boys, M’as Foice), Pedro Renato (Belle Chase Hotel, Azembla’s Quartet) e Gonçalo Rui (produtor musical e guitarrista).

TIAGO ABRANTES – “Alpha”// Tiago Abrantes é um jovem cantor, multi-instrumentista e compositor Português, nascido na Cidade do Porto. Depois de lançar dois singles que pertencem ao seu EP: “Casal Boss” e “Cedo Pra Casar” , na qual tiveram uma grande reciprocidade, o artista lança o mesmo na íntegra. Distribuído digitalmente pela Editora Farol Música, da Media Capital, “Alpha” é o nome deste seu primeiro disco.  Tal como o seu significado no sentido figurado, “Alpha” vem assinalar o começo de uma nova fase na carreira do artista. Um começo enquanto compositor e cantor das suas próprias obras discográficas.

PETER STRANGE – “Sadness”// Depois da vitória em quatro concursos de música moderna, de estudar em Inglaterra música e produção musical, Peter Strange regressa a Portugal e apresenta o novo single “Sadness”. Antes de mais, o porquê do nome artístico Peter Strange? O artista responde «o nome surge em 2015 enquanto gravava umas maquetes na minha antiga escola, em que a certa altura, o rapaz que me ajudava a gravar me disse que o que eu fazia soava estranho mas fixe. E visto que as canções são cantadas em inglês, achei que o nome Peter Strange soava bem.» Para Peter Strange, o novo single “Sadness”, pode ser descrito numa curta frase: «é uma música que fala de uma separação amorosa.»

ELECTRIC WILLOW – “Praise to the Maze”// EW estão de regresso com o álbum “Praise to the Maze”. O novo registo gravado entre o estúdio Valentim de Carvalho e o estúdio da banda é o resultado de um período onde Cláudio Mateus e Luís Pedro Silva experimentam novas possibilidades na roupagem e produção de canções no universo indie rock. O quinto álbum de originais foi produzido pela banda e contou com a participação de Fábio Rocha no baixo, Artur Mendes nos saxofones, Susana Filipe nas vozes e foi gravado, misturado e masterizado por Luís Pedro Silva. Depois dos singles de apresentação “Self you seek” e “Over nothing”, o novo álbum já está disponível para ouvir e descarregar em no bandacamp da  banda.

Praise to the maze by Electric Willow

COSMIC MASS – “I’m Out”// Imbuída de espírito natalício, a banda «mais perigosa da Beira Litoral» anunciou o primeiro avanço para o seu próximo longa duração, no passado dia 25 de Dezembro! “I’m Out” apresenta-se como «faixa protesto para um 2020 para esquecer e que nos levou a questionar o status quo. Além disso, é também a cue certa para apresentar o seu próximo trabalho. “Alienation”, é um ensaio em fast tempo sobre um distopia existencial num universo nada binário. Se conceptualmente navegamos cantos de um universo por catalogar, musicalmente sentimos o Psych Trash de uma banda que tem mais problemas de cadastro do que com a SPA.»

FLAPI – “Winds of May”// O tema foi composto por Flapi a partir de poemas do livro “Música de Câmara”, do escritor James Joyce. “Winds of May” integra o álbum “Flapi – News of Silence” editado em 2019 com o apoio da GDA. Podes já ouvir e ver o vídeo produzido Flapi em 2020 a partir de imagens do seu arquivo fotográfico. Flapi (Alexandre Simões) iniciou a sua actividade musical como instrumentista (flauta e saxofone alto) na secção de metais das bandas Los Tomatos e Coolhipnoise. E ao longo dos tempos participou em diversos projectos musicais como Coty Cream, Aldo Milá, Zuluso, Melo D & Good Vibes Band, Sam, Djambai Djazz, Arbia Big Band para além de ter fundado algumas bandas: Hi-Fi-Jô com Tó Trips, DSCI, Electrónica Portugal, Loose Canon e Headcleaners.

+PLUSBEATZ – “I Can Feel You”// +Plusbeatz, nome artístico de Diogo Figueiredo, faz a transição de 2020 para 21 com este trabalho que representa em si mesmo uma evolução para um campo até então não explorado. A intenção de conquistar uma sonoridade mais definida e amadurecida e reforçar uma posição como produtor no mercado nacional são os fios condutores neste trabalho que terá continuidade ao longo de 2021. Joh Annah empresta voz ao tema “I can feel you”, um tema melódico com elementos modernos dentro do RnB.

I Can feel You ft Joh Annah by +Plusbeatz

PEDRO MENEZES – ”Um Lanche na Avenida”// “Menino Maroto” é o título do EP de estreia do madeirense Pedro Menezes. O primeiro avanço chama-se “Um Lanche na Avenida” que podes ouvir e ver o respectivo vídeo no player em baixo.

STONE BREAKER – “Restinga Sessions” // O álbum ao vivo em formato acústico foi gravado no “Restinga Sessions” em Alvor-Portimão a 11 de Março de 2020  e conta com as participações especiais de Carolina Fonson na voz (no tema “Hopes & Dreams”) e Vitor Bacalhau  na guitarra (no tema “Green Birdy Blues”) bem como Gabriela Magalhães no violoncelo e Daniela Dahmen Quintas no violino. O alinhamento do novo álbum de 9 canções conta com músicas do álbum “Hopes & Dreams” (lançado em abril de 2020) bem como 2 temas do EP de estreia lançado em 2018 e está disponível em todas as plataformas digitais. Os Stone Breaker são uma banda de rock com fortes influências nos anos 70 (Led Zeppelin) 90’s (Soundgarden) bem como influências mais recentes como Queens of the Stone Age. Oriunda da cidade de Portimão, contam com Ray van D na voz, Ricardo Batista nas guitarras, Vasco Moura no baixo e Bruno Vitor Martins na bateria.

 

JOANA NEGRÃO – “Tecelã”// A Cantadeira” é o projecto a solo de Joana Negrão (Dazkarieh, Seiva) um verdadeiro “one woman band”, que apenas com a sua voz e instrumentos tradicionais, cria canções com estórias e paisagens sonoras inspiradas na nossa memória colectiva. Este novo projecto parte da tradição oral portuguesa para dar voz às questões actuais e procurar a identidade nos dias de hoje. “Tecelã” é o single de estreia da artista, «é mais que uma canção, é a vida cantada numa tapeçaria de vozes, como linhas que se entrelaçam umas nas outras. É
inspirada nas mulheres da vida da artista, mãe, tias e avós que foram tecelãs, costureiras e bordadeiras e que, com a sua arte contaram estórias e deixaram um legado rico de um universo feminino forte e emotivo.»

LUIZ CARACOL – “Likes por Amor”// Depois do lançamento dos singles “Olha a Onda” e “Vai Lá”, Luiz Caracol finaliza o ano da melhor forma ao fechar o seu tão aguardado EP ”só.tão” com a última faixa “Likes Por Amor” já disponível em todas as plataformas digitais. O novo EP segue-se ao disco “Metade e Meia”, editado em 2017, e surge após a sua participação no Festival RTP da Canção. Luiz conta-nos um pouco mais sobre o novo EP «Este ‘só.tão’ foi talvez uma das minhas mais emocionantes e importantes viagens musicais. Ter conseguido construir e concretizar os três
temas do só.tão, sozinho e durante o período de isolamento, foi tão desafiador quanto intenso. Espero que o mesmo possa chegar a todos os que tiverem vontade e curiosidade de o ouvir, por
ser um trabalho muito especial para mim».

DENGAZ – “Cura”// Dengaz está de regresso com o single “Cura”, que serve de introdução a um novo capítulo na carreira do rapper que decidiu parar e reinventar-se, dedicar tempo à sua música e à sua escrita. É o início do que será um período de lançamentos que contam uma história, a sua história, a história da sua ausência e a história das suas lutas interiores, familiares e profissionais. Com um visual simples e que pede o foco nas palavras, “Cura” é produzido por Twins, produtor do álbum “Para Sempre” e o vídeo é da autoria de Pedro Dias e Pluma.

O GAJO – “Da Bica para as Estrelas”// «Da Bica para as Estrelas» é uma carta de amor de O Gajo e Thomas Attar Bellier  a um lugar e a um momento num bairro emocionalmente ligado a uma trilha sonora de vidas cheias de tradição mas de olhos postos na modernidade. Como uma selvagem corrida de cavalos pelas planícies alentejanas, «Da Bica às Estrelas» leva-nos do Atlântico ao Mediterrâneo, unindo influências e melodias da Península Ibérica, do Norte de África e do Médio Oriente. O Gajo e Thomas Attar Bellier defendem uma nova abordagem da música folk, que vem do coração e profundamente enraizada na tradição, ao mesmo tempo que engloba a realidade de nossos estilos de vida modernos multicamadas e multiculturais. Na sua glória a preto e branco e lo-fi, o vídeo musical (dirigido pela artista gráfica Lituana radicada em Lisboa, Marija Reikalas) evoca os primeiros Jarmusch, com uma atitude “El Mariachi”.

BALBÚRDIA – “Guerra da Sensatez”// Este tema foi inicialmente pensado para fazer parte do EP “Vinte e Dois”, no entanto a banda decidiu «deixá-lo “crescer” nos concertos ao vivo, até que no início de 2020 entramos em estúdio, sob as “ordens” do Toni Lourenço (Loudstudio – Coimbra), para registar esta canção e ainda o “Facas de Papel”, que apresentamos em Junho passado.» A letra, de João Bandeirinha, fala de uma «relação que chega ao fim, deixando por realizar projectos que foram sendo adiados, e dos enredos que uma separação, seja ela qual for, proporciona». A capa do single é da responsabilidade de João Paulo Castanheira. Os Balbúrdia são Guilherme Castanheira (voz), João Paulo Castanheira e Bandeirinha (guitarras), Firo (bateria) e Rodrigo Antunes (baixo).

Guerra da Sensatez by Balbúrdia

REGULA – “Futre”// O rapper encerra o ano de 2020 com esta novidade em que tem a particularidade de convidar o seu filho Santiago para participar no tema. Madkutz assina a produção da música, Charlie Beats o mix e master do tema, e Chris Costa, Rafael Duarte e Iury Policarpo assumem a realização do vídeo criado para a música “Futre”, no qual não poderia faltar o clássico Porsche amarelo.

EGITANA