Wes Borland [Limp Bizkit] Sobre Manson: «Tudo Verdade»

Wes Borland [Limp Bizkit] Sobre Manson: «Tudo Verdade»

Redacção
Jackson Guitars

Wes Borland, guitarrista de Limp Bizkit, defende as mulheres que acusam Marilyn Manson de abusos sexuais. «Se alguém atacar as estas raparigas e se meter com balelas, f*dam-se!»

Esta semana explodiu enorme polémica em torno de Marilyn Manson. O músico foi acusado pela sua antiga noiva Evan Rachel Wood de abusos sexuais e, rapidamente, várias mulheres juntaram a sua voz a essas acusações, corroboradas pelo seu antigo tour manager. Com todo o direito à presunção de inocência, Manson viu-se, contudo, abanadonado pela sua editora e com exigências de que as acusações sejam alvo de investigação do FBI.

E com a passagem dos dias a polémica vai subindo de tom, com mais compromissos profissionais a caírem (por exemplo, o artista será removido da série televisiva “American Gods”) e com mais vozes a manifestarem-se contra o comportamento de Manson. Caso de Wes Borland.

O guitarrista dos Limp Bizkit, no Space Zebra Live, teve afirmações bastante severas: «Ele não é boa pessoa. E tudo aquilo que se tem dito sobre ele é a puta da verdade. Portanto, tenham tino nas alegações contra as mulheres. Quando as pessoas dizem que estas mulheres o decidiram perseguir agora… Fodam-se, elas estão a dizer a verdade. Lamento por todos aqueles que estão a seguir este podcast e não querem ouvir isto. mas aquele tipoo, ele tem um talento incrível, mas é marado e precisa de ser metido na linha, precisa de ficar sóbrio e de lidar com os seus próprios demónios».

Sem meias palavras, Borland referiu: «Ele é mau como as cobras e eu vi quando ele esta com a Evan Rachel Wood. Estava na sua casa. Não era brincadeira nenhuma e é tudo o que vou dizer sobre o assunto. Portanto, se alguém atacar as estas raparigas e se meter com balelas, ‘Vocês blah blah blah blah blah, isto e aquilo’, fodam-se! Tenho dito. Desculpem tornar isto tão negro, mas aquele gajo acabou. Adeus, a porta é por ali».

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA