Zakk Wylde, Mandamentos Para o Sucesso

Zakk Wylde, Mandamentos Para o Sucesso

Redacção

Dono de uma fulgurante carreira nos seus projectos a solo, ao lado de Ozzy Osbourne ou simplesmente como shredder, Zakk Wylde conta aquilo que deve ser o pensamento de quem pretende ter sucesso na indústria musical.

Muito recentemente, Slash deixou alguns conselhos para jovens músicos e guitarristas que pretendam singrar na duríssima indústria musical. Agora, durante uma entrevista com o Full Metal Jackie, Zakk Wylde também deixou alguma da sua sabedoria acumulada aos aspirantes do showbiz. O líder espiritual e de facto dos Black Label Society, que tem acompanhado Ozzy Osbourne durante grande parte da sua carreira e com quem passou o ano passado em Lisboa, num concerto memorável, relembrou os seus primeiros tempos como músico.

Zakk Wylde refere que diz sempre o mesmo a qualquer jovem guitarrista ou aspirante musical, que «toquem aquilo que gostam. O que quer que te mova é o que deves tocar. Lembro-me do início da minha primeira banda. Tínhamos management e todo esse aparato. É seguramente a receita de Como-Não-Fazer-As-Coisas-Em-101-Passos. Desde logo, tentar tocar música que era moda na época e dar por mim a pensar que nem sequer gostava desse tipo de música. Nunca compraria um desses discos. Porque raio estava a tocar aquilo?».

«É ridículo e é precisamente o que não se deve fazer», insiste Zakk Wylde, afirmando categoricamente que «todas as bandas que gostas e admiras, para eles o que estão a fazer sai muito naturalmente porque tocam aquilo que gostam de tocar. Sejam os Sabbath, Zappelin, Bon Jovi, Poison, Guns N’ Roses, Pantera, os Meshuggah ou James Taylor, eles estão a tocar aquilo que gostam de tocar e se as pessoas gostam também, melhor. Não vão desviar-se daquilo que pensam e acreditam: “Se acrescentarmos um pouco disto, talvez aconteça aquilo”. Não».

O guitarrista usa um exemplo bem célebre para ilustrar a sua convicção, evocando um dos nomes maiores do blues e a sua colaboração com David Bowie«Por exemplo, o Stevie Ray Vaughan amava blues, então porque raio estava numa banda pop? Estão a entender? Ele percebeu isso. Tipo, se tudo o que fazem durante o soundcheck é tocar coisas blues, porque não fazem realmente isso? É aquilo que vos sai naturalmente».

O guitarrista que fundou a sua própria empresa de guitarras e amps, a Wylde Audio, nunca escondeu a sua paixão pelo heavy metal, pelos hard rock clássico e pelos Pantera, até porque era amigo íntimo de Dimebag Darrell, referência que sempre cruzou também com uma paixão por americana e que resultou, por exemplo, no singular álbum dos Pride & Glory.

Exemplos de uma crença que insiste que os jovens músicos devem possuir e o que lhes pergunta: «Apenas, “O  que gostas?”, “Bom, gosto disto”. Muito bem, então faz isso. É isso que devias estar a fazer. O que quer que seja que adoras e te motiva é aquilo que devias estar a tocar».