10 Anos de Arte Sonora, 10 Grandes Guitarristas Portugueses

10 Anos de Arte Sonora, 10 Grandes Guitarristas Portugueses

Nero

CELEBRAMOS 10 ANOS DE ARTE SONORA REUNINDO OS 10 GUITARRISTAS PORTUGUESES MAIS PREPONDERANTES DA ÚLTIMA DÉCADA.

Este exemplar da AS foi duro de concretizar. Nele está o culminar de 10 anos de muito trabalho, redobrado pelo facto de a revista ter enfrentado uma mudança de editora e por nunca ter tido o apoio de qualquer grande grupo económico, prezando a sua independência absoluta. Para o conseguir, a AS passou de ser uma publicação mensal, para bimestral. Depois a crise económica acentuou a crise da indústria dos media e a dos instrumentos musicais, o que se reflecte actualmente e tão claramente numa marca com a imponência da Gibson. Imagine o leitor, os reflexos que tudo isso poderá ter numa pequena empreitada como esta publicação.

Não desistimos e passámos do papel para o digital, aumentando a proposta de conteúdos audiovisuais, principalmente na demonstração de produtos, sempre com uma equipa de músicos nacionais, criámos os pequenos showcases de bandas na redacção, seguindo conceitos como o Tiny Desk, visitando as bandas em estúdio e em palco, com entrevistas e reportagens de equipamento em vídeo, que passaram então a proliferar no modo como se fala de música no nosso país.

Então, mantendo esse trabalho, regressamos ao substancial papel, através deste formato inédito na nossa imprensa, impulsionados por uma histórica entrevista com Eddie Van Halen, a primeira vez que deu uma para Portugal! Para criar algo especial para uma edição que celebra 10 anos de publicações queríamos algo que fosse inédito ou, no mínimo, incomum, na nossa imprensa musical. Isto, claro, além dos artigos sobre instrumentos e equipamento musical de sempre. Então surgiu a ideia de reunir numa edição histórica dez grandes guitarristas portugueses.

Qual o critério? Quem é melhor que este ou aquele? O que significa ser um grande guitarrista? Citando o André Fernandes: «Não é uma corrida, ninguém tem que tocar melhor do que o outro, só porque o amigo começou ao mesmo tempo e já toca uma coisa que ainda não tocas, isso não quer dizer absolutamente nada!». Então, procurámos falar com aqueles que, nesta década de AS, trabalhos de maior relevância musical fizeram e, indo a vários géneros musicais, os que consideramos mais se diferenciarem pela sua singular linguagem na guitarra eléctrica, em particular, e na música. De uma forma ou de outra, não deixa de ser algo inédito na nossa imprensa musical. Conversar com estes titãs da guitarra eléctrica sobre a sua paixão pelo instrumento e pela música e sobre o seu som. No final, custou-nos muito deixar tantos outros nomes de fora.

Neste número está o culminar de 10 anos de muito trabalho, redobrado por nunca termos tido o apoio de qualquer grande grupo económico, prezando a independência absoluta.

De resto, apresentamos uma das novas gamas da Fender, a American Original, e pegámos numa das réplicas das Stratocaster dos anos 50, uma das mais preponderantes ferramentas no dealbar do rock ‘n’ roll. Fazemos uma retrospectiva aos 60 anos de outro design icónico, a Gibson Flying V. Numa edição de 10º aniversário, sugerimos duas listas de AS10: para microfones ideias para captar para bateria “amigos da conta bancária” e amplificadores de baixo portáteis, mas ainda assim extremamente potentes.

Enquanto Nuno Calado e Carlos Garcia viajam pelo mundo de Daft Punk e George Harrison, respectivamente, nas suas habituais crónicas; entramos no estúdio Timbuktu para conhecer um espaço que tem vindo a granjear cada mais melhor reputação na gravação de vários estilos musicais, mas com o coração ligado ao jazz; passámos nos Namouche para conversar com os Orelha Negra sobre o seu terceiro disco e ainda fomos aos estúdios Black Sheep, onde BB se sentou numa bateria a testar o impressionante e inovador módulo de efeitos da Yamaha, o EAD-10.

Esta edição, com número de páginas aumentado, será a única de 2018. Para adquirir este número basta aceder à nossa loja.