10 Mandamentos para o SWR XVII

10 Mandamentos para o SWR XVII

Nero

José Miguel Rodrigues, o director da revista LOUD, apresenta as 10 razões principais para não se perder o SWR XVII. O festival realiza-se em Barroselas de 23 a 26 de Abril. O passe para os 3 dias tem um preço de 65€.

 

10. DISCHARGE
Uma referência inabalável no espectro da música extrema, este bastião do punk britânico é uma das mais influentes bandas do género. Responsáveis pela invenção do infeccioso d-beat, a famosa batida – transversal a géneros tão díspares como o punk, o death e o black metal – que é garantia segura de headbanging.

09. SOURVEIN
Parece que, à terceira, é mesmo de vez. A banda liderada por T-Roy Medlin já esteve agendada no SWR por duas vezes, acabando por cancelar sempre a sua presença, mas tudo indica que este ano vamos poder finalmente testemunhar, ao vivo e a cores, o poderio sludge/doom que os caracteriza há décadas.

08. BOSQUE
Enigmático projeto isolacionista nacional, Bosque é sinónimo de black/doom injetado de drone, uma fusão de estilos sem precedentes em solo luso. Ainda no rescaldo da edição de «Nowhere», sucessor de um muito aplaudido «Passage», vão levar música sufocante às massas numa rara aparição ao vivo.

07. BÖLZER
Sempre que o death metal parece estar a estagnar surge uma banda tão singular que nos faz acreditar no futuro do género. As fundações deste duo suíço surgem enraizadas nos riffs gordos e musculados dos Celtic Frost e Asphyx, ampliadas por uma força ritualista singular e sanguinária que desafia rótulos.

06. GORGUTS
«Colored Sands», o novo disco dos canadianos, pode ter demorado uma década a tomar forma, mas nada mudou na estética da banda liderada por Luc Lemay, sendo que o seu death metal continua a brilhar graças às dissonâncias, aos acordes estranhos e às estruturas não-lineares que os tornaram famosos nos 90s.

05. ANAAL NATHRAKH
Em vésperas de editar o muito aguardado sucessor de «Vanitas», que dista já dois anos, o duo britânico formado por V.I.T.R.I.O.L. e Irrumator regressa finalmente a Portugal para fustigar o público do SWR com a sua descarga de  black metal bastardizado de grindcore e texturas atmosféricas, que não faz prisioneiros.

 04. GRAVE MIASMA
Desde que mudaram de designação, até 2006 respondiam pelo nome Goat Molestor, os britânicos Grave Miasma transformaram-se numa das mais badaladas e aplaudidas propostas saídas do revivalismo do death metal monolítico e cavernoso, que tanto apela a fãs dos Morbid Angel como dos Incantation.

03. BLACK WITCHERY
Impuros e impiedosos, herdeiros da tradição “bestial” estabelecida no underground por projetos canadianos como Blasphemy ou Revenge, estes norte-americanos são um dos melhores exemplos do obscurantismo aplicado à música, num misto blackdeathrash que soa como uma autêntica máquina de guerra.

02. GRAVES AT SEA
De regresso ao ativo depois de quatro anos de silêncio, este quarteto californiano é quiçá um dos segredos melhor guardados no espectro do sludge/doom tortuoso. Agora é cruzar os dedos e esperar que toquem a «Pariah», um tema com um riff central tão monstruoso que vale pela discografia inteira de muitas bandas.

01. IN SOLITUDE
Autores de «Sister», um dos melhores álbuns de 2013, estes suecos têm ligações aos Watain, mas a sua música adota roupagens bem mais tradicionais, num misto de heavy metal e rock’n’roll pintado em tons obscuros e carregado de melodias e refrões pensados estrategicamente para ser entoados em uníssono.

Foto de entrada: Joana Cardoso