As Guitarras de Nick Drake

As Guitarras de Nick Drake

Nero

O mistério das guitarras que Nick Drake utilizou na sua curta carreira musical…

No dia 25 de Novembro de 1974 Nick Drake morreu durante o sono. O músico tinha 26 anos e sofreu uma overdose de amitriptilina, um anti-depressivo. Aos vinte anos de idade assinou contrato discográfico com a Island Records. Há 50 anos atrás, gravou o seu álbum de estreia, “Five Leaves Left”. Em 1971 editou “Bryter Layter” e no ano seguinte “Pink Moon”. Apesar de uma carreira tão curta, o músico britânico tornou-se extremamente influente e celebrado. Mas esse reconhecimento foi algo tardio e, por isso, não há arquivos suficientes para perceber exactamente que equipamento e, especificamente, que guitarras usou Drake.

A guitarra mais associada a Nick Drake é a Guild M-20, com a qual o músico surge sentado na icónica capa do seu álbum de 1971, “Bryter Layter”. Todavia, essa guitarra (aliás, tal como os pitorescos sapatos diante de si) pertencia ao fotógrafo que realizou a sessão fotográfica da capa, Nigel Waymouth. É mais provável que Drake usasse regularmente modelos como a Martin D-28 ou uma Levin dreadnought. A Economy M-20 era a guitarra mais barata da Guild, possuindo corpo em mogno (existem alguns modelos produzidos com tampo em spruce). Devido à sua associação imediata ao músico britânico, ganhou a alcunha de “Guitarra de Nick Drake” e também por isso é uma das guitarras mais procuradas no mercado vintage.

Mesmo apontando as Martin ou as Levin, o grau de certeza não é elevado. A prova faz-se através de raros vídeos e fotografias, onde também se vê uma Yamaha GT-50 NT (curiosamente também devido às sessões fotográficas de “Bryter Layter”). É uma dessas fotos que podem ver no cabeçalho do artigo. Também existem fotos de Drake com uma Yamaha FG (red label). Nick Drake também terá possuído uma Levin S-18 Super Goliath Dreadnought. Pelo menos, durante os seus tempos de universidade (este curto vídeo sobre as raras guitarras aponta Drake como utilizador das mesmas).

Há um pouco mais de certezas no que respeita a modelos Martin. Afinal, quem se refere ao uso dessas guitarras é Robert Kirby,  colaborador de Drake que gravou alguns temas e fez arranjos nos dois primeiros álbuns do jovem compositor. E Kirby afirmou em entrevista: «Nunca vi o Nick tocar com uma guitarra que não fosse a sua Martin D28 (ou a sua guitarra hispânica clássica) até a época de “pink Moon”, quando ele vendeu tudo e comprou uma Martin 000-18».

Martin D-28 Standard Series

Martin D-28 Standard Series

A Martin D-28 é considerada uma dos mais emblemáticos modelos acústicos de fabrico norte-americano. O modelo foi estreado am 1931 e logo aclamado (até aos dias de hoje) devido à tremenda projecção do seu excelente som. Os primeiros modelos usavam rosewood brasileiro (actualmente uma madeira protegida), da mesma forma, os componentes usados nos modelos originais já não existem na produção actual, cuja estabilização mais recente teve lugar em 2017. Hoje, a D-28 possui um design x-bracing e recorre às madeiras sitka spruce ou adirondack red spruce nos tampos, corpo em rosewood indiano e braço em mogno. A ponte e escala é ébano. Uma grande fatia da sua construção ainda é feita manualmente, apesar de a Martin ter adoptado o uso de máquinas CNC (Controlo Numérico Computorizado).

Martin 000-18 (sitka spruce) de 2014.

Martin 000-18 (sitka spruce) de 2014.

Já a Martin 000-18 ostenta um lindo tampo stika spruce de tonalidade envelhecida, conjugado com corpo de mogno maciço. Este modelo Auditorium aproxima-se mais dan referida Guild, e hoje mantém a inspiração vintage do design, com contorno de tartaruga complementado com um acabamento polido. A actualização mais recente à produção data de 2014. É um modelo de escala curta (24.9”) e o braço possui um perfil oval suavizado. Os afinadores open-gear são níquelados. O revestimento da cabeça é em rosewood, que ostenta o logo da marca na sua forma arcaica.

No player em baixo, o comovente documentário de 2000, “A Skin Too Few: The Days of Nick Drake”, realizado por Jeroen Berkvens e com a participação de familiares e amigos do músico.