As guitarras Johnny Cash

As guitarras Johnny Cash

Nero

Revemos as guitarras que o “Man In Black” usou, com maior frequência, na sua carreira.

Lenda maior da música e, particularmente, do country e americana, Johnny Cash nunca se “electrificou”. Dylan rendeu-se às Teles e Strats, mas Cash manteve sempre o perfil semi-acústico. Durante a sua carreira, Cash usou preferencialmente guitarras Martin & Co., embora também tenha começado a sua carreira com uma Gibson. Quando gravou os primeiros álbuns na Sun Records e na Columbia Records, Cash usava uma Gibson J-200, que mais tarde recebeu entalhes que faziam ler o nome do músico no fretboard. A guitarra surgiu em 1937 e, se ainda hoje é considerada “Rainha das Flat-tops”, naquela altura era tão comum um músico a usar como respirar. Também referida como SJ-200, a guitarra possuía um som muito mais profundo, poderoso e balanceado nas frequências, em relação aos instrumentos da época.

johnny cash gibson J-200

A Gibson J-200 Custom de Johnny Cash.

Por volta de 1961, Cash muniu-se de uma Martin D-28 desse ano. Estes modelos, surgidos originalmente em 1931, em comparação à Gibson, possuíam um ataque maior, com mais agressividade nos médios/agudos, muito devido ao rosewood indiano no corpo e o tampo em sitka spruce sólido. A ponte e o fretboard eram em ébano. Foi esta a primeira guitarra que Cash pintou de preto! Em 1969, Cash passou a usar um modelo desse ano. Em 1976, Cash usou pontualmente um modelo da edição limitada de celebração dos 200 anos Martin & Co., a D-76 – muito similar às D-28.

A Martin D-28, modelo de 1931. A primeira guitarra que Johnny Cash pintou de preto!

A Martin D-28, modelo de 1931. A primeira guitarra que Johnny Cash pintou de preto!

A partir de 1970, o “Man In Black” passou a usar de forma recorrente um modelo D-35 de 1968 modificado, a D-35S. A guitarra possuía um corpo mais compacto, tal como o braço e fretboard. Cash pediu à Martin para personalizar o fretboard com inlays a representar trigo e milho, além de um headstock com inlay também personalizado e ainda as margens do tampo, cujo abalone também era único para o modelo.

Johnny Cash acompanhado por June Carter Cash e Maybelle Carter na TV. A guitarra é a D-35S.

Johnny Cash acompanhado por June Carter Cash e Maybelle Carter na TV. A guitarra é a D-35S.

 

Em 1982, Cash tornou a trocar de modelo. As preferências continuavam, dreadnought e Martin. O modelo D-45 é que já era Custom: braço de uma D-41, corpo de três peças tipo as D-35 e com as assinaturas de Cash, C.F. Martin III e C.F. Martin IV.

Em 1982, Cash tornou a trocar de modelo. As preferências continuavam, dreadnought e Martin. O modelo D-45 é que já era Custom: braço de uma D-41, corpo de três peças tipo as D-35 e com as assinaturas de Cash, C.F. Martin III e C.F. Martin IV.

Em 1989, surgiu um dos modelos mais significativos de Johnny Cash e da própria Martin: a D-35, que pouco depois receberia a assinatura de Cash num modelo de edição limitada. Foi com esta guitarra que Cash gravou, na sua grande maioria, “Solitary Man”, o terceiro álbum das sessões American Recordings, com o produtor Rick Rubin.

D-35-Johnny-Cash

Martin “Johnny Cash” D-35, ltd ed.

Nos últimos anos de vida de Johnny Cash, a Martin construiu um modelo custom, de edição limitada, para o músico: a D-42JC. A guitarra, com bracing escalopado em “X”, recuperava o som do primeiro modelo Martin que Cash usou, com o corpo em rosewood indiano, o tampo em sitka spruce, braço numa peça sólida de mogno e o fretboard em ébano. Uma guitarra colossal, podem verificar todos os specs no site oficial.

Martin D-42JC. A última guitarra de Cash, modelo limitado da Martin para o músico.

Martin D-42JC. A última guitarra de Cash, modelo limitado da Martin para o músico.