As Melhores Guitarras de Assinatura de Mulheres

As Melhores Guitarras de Assinatura de Mulheres

Redacção

É uma tendência crescente. Nos últimos anos, aumentou consideravelmente o número de endorsers femininos das maiores marcas de guitarra e também o surgimento de extraordinários modelos com a assinatura de mulheres.

É uma das formas mais batidas das marcas matarem dois ou três coelhos de uma cajadada. As guitarras de assinatura prestam homenagem a um guitarrista emblemático e a um som histórico, o que por sua vez é cativante para vários fãs do respectivo músico ou para outros músicos que apreciem o seu carácter sonoro e, então, as marcas aumentam as suas vendas, à conta do carisma dos artistas.

Para muitos, uma guitarra de assinatura não é mais que uma forma de merchandise demasiado caro. E se há vários casos em que isso sucede, também é certo que as marcas e os próprios guitarristas começam a prestar mais atenção ao produto final, procurando criar algo de valor acrescentado nos ditos instrumentos.

E há outra tendência extremamente feliz, não só há cada vez mais mulheres a tocar guitarra, como há cada vez mais guitarras de assinatura de mulheres. Vamos recapitular, entre as mais recentes, aquelas que mais nos impressionam.

Pickups single-coil Fender Vintage Noiseless e pickguard de alumínio surgem montados no corpo em alder, acompanhado de braço em peça singular de maple com raio de 9.5”. Ainda o braço, possui um perfil “mid-’60s C” e a placa na junção apresenta o artwork de H.E.R., a primeira mulher afro-americana a receber um modelo Fender de assinatura. A ponte sincronizada, ao melhor estilo vintage da Fender, possui seis pontos de fixação do vibrato. Mais info no artigo original.

O corpo da Tash Sultana Stratocaster é em alder. O braço de perfil “C” bastante pronunciado é em maple, com 22 trastes, e 9.5” de raio. A versatilidade sónica é garantida pelos dois single coil Yosemite (meio e braço) e o humbucker com quatro ímanes em alnico, o Double Tap Humbucker. O circuito liga-os a um comutador de cinco posições, um botão de volume e dois de tone (um destes com função push-pull, para dividir o humbucker em single-coils). Tremolo de sincronização tipo vintage, afinadores Fender e pickguard de três folhas Aged White Pearl. Mais detalhes.

A Chrissie Hynde Telecaster presta homenagem à estimada ’65 Telecaster da frontwoman dos Pretenders, apresentando-se num deslumbrante acabamento Road Worn Ice Blue Metallic, com pickguard espelhado cromado, um braço de perfil “Mid ’60s C” e pickups single-coil custom (‘50s single-coil Tele) que lhe dão uma resposta e um som clássicos, replicando o som das unidades da guitarra original de Chrissie. A ponte tem os saddles em aço inoxidável. Toda a info aqui.

Joan Jett foi uma das primeiras guitarristas femininas a ter um modelo de assinatura com a famosa marca de guitarras, a sua Gibson USA Joan Jett Signature Melody Maker. Agora em 2019, a ex- The Runaways volta a desenvolver outro modelo de assinatura, desta feita uma Gibson Hollow-Body ES-339. Com um bloco central em maple e com uma estrutura interior em Andirondack, a primeira num modelo Gibson ES, a guitarra vem ainda equipada com dois pickups Burstbucker e com condensadores Orange Drop. Já o topo da guitarra é produzido em maple e apresenta um acabamento em Wine-Red. Mais info neste limitado e luxuoso modelo.

Adoramos Heart e adoramos Nighthawks. Portanto, estamos entusiasmadíssimos com esta nova guitarra. A Fanatic possui o formato de uma Nighthawk, com corpo em mogno e tampo em maple. O braço (também mogno) possui perfil C arredondado e escala em ébano. Na electrónica está um par de humbuckers ProBucker, o da ponte, como no modelo original, está inclinado. Os controlos são master volume e tone, com selector de cinco posições. no hardware: ponte Nighthawk Hardtail, afinadores Epiphone Deluxe e pestana GraphTech NuBone. A Fanatic surge num deslumbrante acabamento gloss Fireburst.

A Washburn já não fabrica a JB-100, a guitarra de assinatura de Jennifer Batten, que nos descreveu os specs quando passou em Lisboa a solo: «O corpo é madeira de freixo, tem o Floyd Rose original, que é o que mantém melhor a afinação – tem pickup’s Seymour Duncan, os JB Jrs na ponte e os Duckbuckers (quando tinham a guitarra em linha de fabrico podias escolher se querias o modelo com estes pickup’s ou não). Tem os controlos normais de volume e tone e um switch de cinco posições, mas eu adicionei um switch de on/off».

Em 2018, Nita Strauss tornou-se a primeira mulher a ter um modelo de assinatura Ibanez Guitars. A Nita Strauss JIVA10 Signature é um canhão de shred baseado nos modelos S Series e com alguns specs escolhidos por Nita, tais como os seus pickups de assinatura com a DiMarzio, os “Pandemonium”, ou o inlay “Beaten Path” na escala. O acabamento “Deep Space Blonde”, um burst cinzento sobre o tampo em quilted maple, faz referência à guitarrista. Podem descobrir mais specs desta bomba na Ibanez.

A Ernie Ball Music Man St. Vincent surgiu em 2015 e teve uma actualização em 2018. Estes modelos bolt-on são construídos em mogno africano, com braço e escala em rosewood. Escala de 22 trastes, com 25-1/2” (64.8cm). O braço possui uma largura de 1-5/8″ (41.3 mm) no nut e 2-1/4″ (56.9 mm) no último traste. O truss rod é ajustável sem necessidade de remoção das cordas ou de componentes. Os afinadores são os Schaller M6-IND. A ponte é um tremolo Custom Music Man, em aço cromado, com os saddles em aço inoxidável. No modelo original (na foto está o de 2018), o circuito eléctrico possui potenciómetros de volume (250kohm) e tone (com capacitador .047µF) e um comutador de 5 posições, que pode ser personalizado pelo utilizador, que alterna o som de três minihumbuckers.

A assinatura de Orianthi com a Gibson funde um corpo no clássico formato J-200 com um braço inspirado numa Gibson ES-345. O corpo é construído em maple, com um tampo AAA Sitka Spruce, com acabamento Cherry Red e lacado nitrocelular. O visual é complementado com afinadores dourados da Grover, entalhes de escala em madrepérola e o pickguard com o design Lotus Flowers. O circuito eléctrico também é de assinatura, o LR Baggs Orianthi System com o pickup piezo instalado debaixo do saddle e o pré-amp no buraco de ressonância. Mais info na Gibson.

O Billie Eilish Fender Signature Ukulele possui uma escala de 15 polegadas e é construído em sapele, com o acabamento acetinado de poros abertos. O braço é em nato e a escala em walnut com 16 trastes. Outras características incluem afinadores em níquel, pestana em osso, hardware em níquel também e a roseta em torno do buraco de ressonância em abalone. Eilish começou por progredir com o uke em casa, mas este modelo está pronto para grandes palcos, com o Fishman Kula Preamp que inclui EQ de três bandas e afinador. Toda a história aqui.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
FENDER

[adrotate banner="12"]