Cobain: Montage Of Heck

Cobain: Montage Of Heck

Hugo Tomé

O novo documentário, na perspectiva de um admirador…

A viva memória não se esquece. A amarga sensação não se perde. A eterna recordação do momento, aquela enorme desolação que ilude a passagem do tempo. Estávamos a 8 de Abril de 1994 e lembro-me do local, da notícia, de quase tudo. Kurt Cobain, líder dos Nirvana e símbolo maior de toda uma geração comete suicídio. A vida e obra do grande ídolo dos anos 90, o meu ídolo, chegara ao seu fim. Mas será que chegaria mesmo ao fim? Cobain: Montage Of Hech faz-nos querer que não!

Vinte e um anos passados da sua morte, o primeiro documentário oficial sobre Kurt Donald Cobain é íntimo, interessante e curioso, mas diga-se… Um tanto ou quanto controlado e pouco ambicioso. Com a realização a cargo de Brett Morgen e a produção com a mão e preciosa colaboração de Frances Bean Cobain. Uma vez mais, abrem-se as portas do coração e alma do músico de Aberdeen WA, desta feita por um conjunto de testemunhos, animações visuais e vídeos caseiros divididos entre a primeira pessoa e quase todos aqueles que o foram próximos. Organizado e montado da feliz infância à problemática adolescência, da crescente dependência à fatídica decadência. “Montage Of Heck” são 145 minutos da família à rebeldia, da ascensão à depressão. São um pouco mais de duas horas do filho, do pai, do homem e do incrível artista. Horas preenchidas e projectadas por diversas confissões, opiniões e imagens nunca antes divulgadas, imagens que representam o maior e o melhor apontamento de todo o documentário. Um novo registo biográfico, por vezes revelador e intenso, por vezes maçador e mais do mesmo, que agora se junta à infindável colecção de relatos conhecidos sobre o percurso de Kurt Donald Cobain. Uma nova descrição que chega a todos os admiradores que, como eu, no início da fita descobrem e questionam, no fim absorvem e se emocionam.

CONFIRMA AS SALAS E HORÁRIOS DE EXIBIÇÃO EM PORTUGAL

Emocionam não porque “Montage Of Heck” seja uma caixinha de surpresas do primeiro ao último minuto, não porque seja algo que já não se saiba de trás para a frente ou porque tenha o final mais surpreendente e espectacular de sempre. Pelo contrário, o final é mesmo «muita parra para pouca uva» e a única sensação que remete é um valente «ora bolas»! Emociona, simplesmente, porque a inesgotável curiosidade e o apreço pela figura chegam e sobram para durante toda a visualização nunca perder a perspectiva e o gosto de um admirador. E na perspectiva de um admirador “Montage Of Heck” podia ser um pouco mais! Não é mau, mas não passa do assim-assim. Está longe de ser terrível, mas fica-se somente pelo “possível”. Destaca-se por juntar pela primeira vez a criança divertida, o jovem rebelde, o adulto paternal e o homem afectivo que foi Kurt Cobain. E ainda, a sua mãe confidente (Wendy O’Connor), o seu pai arrependido (Don Cobain), o seu amigo resignado (Krist Novoselic) e a sua mulher inconstante (Courtney Love).

Montage Of Heck” não é o documento audiovisual mais pessoal alguma vez criado sobre Kurt Cobain, mas podia ter sido.

Tudo isto misturado e alternado entre várias passagens e ilustrações do seu diário, umas partes a bom ritmo, outras partes nem por isso. Tudo isto com uma certa carência de novidade e   raridade merecedoras de grande destaque, exceptuando a pretensão ideológica/revolucionária de Kurt Cobain e Buzz Osborne (Melvins), a audição de um primoroso cover acústico de “And I Love Her” dos Beatles e a gravação de “Smells Like Teen Spirit” (o ponto de viragem artístico) acompanhado por uma versão “coral” de fazer arrepiar os pêlos do corpo inteiro. “Montage Of Heck” não é o documento audiovisual mais pessoal e elucidativo alguma vez criado sobre Kurt Cobain, mas podia ter sido. Esse, seguramente, será “About a Son” de AJ Schnack, uma compilação de entrevistas caseiras realizadas pelo jornalista Michael Azerrad a Kurt Cobain entre Dezembro de 1992 e Março de 1993, onde toda a sua história e obra são contadas e reveladas na íntegra pela primeira pessoa.

“Montage Of Heck” é, unicamente, o mais familiar e exclusivo de tudo aquilo que já foi dito, escrito e projectado sobre aquele que será o eterno símbolo da geração de 90. Vale a pena, mas só…