Mantar, Volume Monstruoso

Mantar, Volume Monstruoso

Nero
Marius Drews

O termo sludge, na opinião de Hanno (guitarra e voz dos Mantar), usado por tudo e por nada por estes dias, pode não ser suficiente para descrever o peso e volume colossais que a dupla alemã gravou no seu álbum de estreia, “Death By Burning”.

O álbum “Death By Burning” foi um dos lançamentos de 2014 com mais cojones no submundo do peso. A colossal parede de amplificação e um baterista que vale por uma banda inteira fazem dos Mantar uma das bandas mais capazes de assassinar uma audiência, usando apenas «volume puro» como arma. Erinc Sakarya só pode ser filho do Grande Bode. Não fosse suficiente a força descomunal com que o baterista bate nas peças, é ainda capaz de demonstrações sublimes de técnica, com precisão nas pancadas que, em zonas e com intensidades diferentes, alteram o carácter sonoro da peça em questão – especialmente no seu trabalho de tarola. Ainda mais impressionante o carácter dinâmico que imprime à banda, se pensarmos que os Mantar são… bateria e guitarra/voz.

O guitarrista e vocalista, Hanno Klänhardt, falou-nos do conceito sonoro da banda e de como este se confunde com a filosofia que originou os Mantar. Mais que uma colagem genérica a qualquer tipo de “cena”, a dupla procura exteriorizar, simplesmente, uma fúria monstruosa de volume.

No vosso Bandcamp pode ler-se algo como «não chamem sludge a isto»…
Em 2014/2015, o sludge já não é, necessariamente, sinónimo de qualidade. Não me compreendam mal, mas sinto que muitas bandas sem talento estão a auto-intitular-se de bandas de sludge apenas porque não fazem ideia do que é que estão realmente a fazer. E o que estão realmente a fazer é a copiar outras pessoas. Para além disso, há muitas bandas que nem sabem quais são as suas raízes quando usam o termo sludge. O que é que sludge significa? Tocar mais devagar? Tocar mais pesado? O que raio sei eu? Nós não vimos de uma certa “cena”. Não queremos saber disso, nem nunca vamos querer saber. Apenas acho que o termo sludge está, de certa forma, sobrestimado. Infernalmente chato. Claro que há bastantes bandas nos últimos 15 anos, catalogadas como sludge, que têm discos espectaculares. Há é muitas bandas que parecem esconder-se atrás do termo e esperar que o público goste de si por causa disso. Mas uma banda de merda continua a ser uma banda de merda. Claro como a água.

O álbum foi uma exibição crua de potência: como cuspir na cara de alguém

Criar dinâmica numa banda pode ser um pesadelo quando tocas em quarteto. Vocês são apenas dois, quão difícil tem sido?
Tocamos há mais de 20 anos. Começámos muito cedo. Além disso, o Erinc (Sakarya) é um tremendo baterista. Ele consegue manter o beat e o groove sempre arrasadores. É fácil criar um sonzão apenas com duas pessoas se souberes o que estás a fazer e tiveres a paixão suficiente, mais a sede de destruição total! Nós não somos uma banda indie. Nós vimos para aniquilar, não para tocar. Toco com um monte de equipamento, por isso o som tem um volume infernal. Nunca tivemos queixas acerca da falta de potência ou alguma coisa parecida. Não sei… Talvez eu e o Erinc combinemos muito bem. Outra coisa importante é que temos o mesmo gosto no que toca ao som. Temos sempre as mesmas ideias quando estamos a tocar. Talvez seja assim porque nos conhecemos já há muitos anos. Quer dizer, ainda que só recentemente tenhamos criado os Mantar, já fazemos jams desde ’98.

Como trabalharam em estúdio o som bruto e cru de “Death By Burning”?
Sem experiências, com um setup simples. Não tínhamos o tempo nem o dinheiro. Isso pode ser um grande benefício. Já me perdi demasiadas vezes quando tenho muitas opções e possibilidades. Mantar é muito uni-dimensional.  O estilo cru talvez seja explicado pelo facto de termos gravado as músicas nos dias a seguir a escrevê-las. Nunca as ensaiámos ou as trabalhámos demasiado. Como disse, não tínhamos tempo. Foi uma exibição crua de potência: como cuspir na cara de alguém.

E quais são, de facto, as ferramentas desse som?
Toco com três amps e colunas ao mesmo tempo. Apenas lhes divido o sinal. Uso octavers e amps de baixo para conseguir mais graves. Na realidade, não é assim tão complicado. Mas como somos só duas pessoas temos de ter a certeza de que estamos a cobrir todas as frequências importantes. Volume puro também é algo importante. NÃO PODEMOS tocar baixinho! Se os clubes onde vamos tocar querem que seja assim, abandonamos o local. Sem ressentimentos, mas Mantar é volume, habituem-se. Considerando tudo, não uso muita modulação. 90% é apenas diferentes pedais de distorção. Aqui e ali um pouco de reverb ou delay. Além disso, uso uma guitarra barítono (uma LTD Viper, as SG da marca), apesar de ter gravado com uma guitarra normal, uma coisa barata de 200 euros. Pode soar cliché, mas o som também está, de alguma forma, nas nossas mãos… Para o Erinc é tudo o quanto maior possível, especialmente os pratos. Apenas os grandes pratos ride são usados como crash. Uma tarola e timbalões grandalhões (14” e 18”). Bombo 24”. Em cada concerto ele parte 4 ou 5 baquetas. É um hobby caro como o raio… Mas vamos continuar a fazer o que sempre fizemos: “KILL DESTROY FUCKSHITUP” [risos].