O All In de Kenny Rogers

O All In de Kenny Rogers

Nero

Kenny Rogers apostou a sua carreira no álbum “The Gambler”. Ganhou a parada a Johnny Cash e tornou-se um mito na country music.

Kenny Rogers iniciou a sua carreira no final dos anos 50, ao lado dos Scholars. Tentou, logo nessa época, lançar-se a solo mas, sem grandes resultados, foi experimentando várias linguagens musicais noutras bandas, desde o jazz ao folk, até se fixar nos The First Edition. O som da banda espelhava já o ecletismo que viria a ser marca de Rogers, como é exemplo o tema “Just Dropped In (To See What Condition My Condition Was In)”, que podia muito bem fazer parte da discografia dos Black Angels.

No entanto, com a conquista de preponderância da banda, Rogers foi progressivamente transformando a estética do conjunto, aumentando as sensações country music. Até que os First Edition, nesta altura já subordinados ao nome de Kenny Rogers se separaram e o seu frontman seguiu carreira a solo, em 1975.

Após um par de anos com vários álbuns lançados, Kenny Rogers demorou a fixar a sua marca, a sua assinatura enquanto artista de massas. Já havia produzido dois álbuns Top 10, namorado com o disco sound e o country pop (nesta caso através do álbum ao lado de Dottie West), mas faltava-lhe um trabalho angular. E, “Love Or Something Like It” serviu com preâmbulo, esse trabalho foi “The Gambler”.

Com edição da United Artists, Kenny Rogers apostou alto no seu 6º álbum a solo. A produção ficou a cargo de larry Butler e congregou canções escritas por altos perfis como Alex Harvey, Mickey Newbury e Steve Gibb, além composições do próprio Rogers. Mas foi a canção de Don Schlitz que lhe deu o full house. “The Gambler” foi usada por vários outros artistas. Notoriamente, Johnny Cash até gravou primeiro a sua versão, mas Rogers acabou por editar primeiro a sua. Assim, “The Gambler” vincou a assinatura de Rogers e deu uma imagem a um álbum vagamente conceptual que, mais que os alegados 35 milhões de cópias vendidas, deu origem a uma série televisiva, protagonizada pelo próprio cantor.

A canção rendeu vários prémios e reconhecimento a Rogers. Juntamente com as baladas “She Believes In Me” e “I Wish That I Could Hurt That Way Again”, catapultou a carreira do músico para o estatuto de super estrela mundial e tornando-o um dos mais influentes nomes da música country. Poucos anos depois, em 1983, surgiu a canção que, talvez, o tornou mais conhecido pelo público português, o dueto com Sheena Easton, “We’ve Got The Night”.

No dia 20 de Março de 2020, aos 81 anos de idade, Kenny Rogers morreu na sua casa em Sandy Springs, Geórgia.