QUINTO ANDAR: Opus Diabolicum

QUINTO ANDAR: Opus Diabolicum

Nero

Os Opus Diabolicum falam-nos das suas origens e da ligação com Moonspell.

Enquanto cresciam como músicos de conservatório, Valter Freitas, Diogo Penha e André Pontífice, ouviam outros “clássicos” pelos corredores da escola. A paixão pelo heavy metal uniu o trio de violoncelistas e os Moonspell deram-lhes um ponto de partida. Os Opus Diabolicum escolheram vários hinos da maior banda nacional de metal para um disco de homenagem que visa a carreira de 20 anos dos Moonspell.

Tendo começado como um quarteto, acabaram por desenvolver o espectáculo “Sombra”, com a banda a quem prestam tributo, que resultou numa tour nacional e marcou presença, inclusive, no Wacken Open Air de 2012, na Alemanha. Participaram ainda no último trabalho dos Moonspell, “Alpha Noir / Omega White”. E foi então que entraram nos estúdios Inferno, com Pedro Paixão (teclista/guitarrista de Moonspell) como produtor. A masterização esteve a cargo de Fernando Matias, nos The Pentagon Audio Manufacturers.

O trio fala-nos do álbum homónimo, onde se escutam versões charmosas, em trio de violoncelos, a “Everything Invaded”, “Opium”, “Alma Mater”, “Tenebrarum Oratorium”, “Nocturna”, “Scorpion Flower”, “Vampiria”, “Full Moon Madness” e ainda “Opus Diabolicum (Outro)”. Em exclusivo AS, os Opus Diabolicum dessacralizam os violoncelos com “Nocturna” e “Opium”.