Pusemos o Talkfest a falar.

Pusemos o Talkfest a falar.

Timóteo Azevedo

Ricardo Bramão (diretor) e Tiago Fortuna (imprensa) responderam a algumas perguntas sobre o Talkfest.

O Talkfest, ciclo dedicado aos festivais de música em Portugal, vai decorrer entre o dia 13 e 15 de Março, no ISEG e na Aula Magna. A programação vai contar com várias conferências, apresentações profissionais, seminários, documentários e uma boa dose musical, com as actuações de DJ Ride, Octa Push, Brass Wires Orchestra, Los Waves e Lionskin. A Arte Sonora, sendo mediapartner do Talkfest, falou com a equipa que organiza este fórum para perceber um pouco melhor as suas motivações e ambições para o projecto.

O que vos motivou a criar o Talkfest?
O Talkfest foi criado por três amigos, todos eles assíduos festivaleiros que os olham a 360 graus, foi exatamente essa visão que criou a ideia. Aperceberam-se que os festivais como fenómeno têm muito para oferecer e muito para ser explorado, e, à semelhança de outras áreas como a comunicação, a gestão, ou o marketing não existia um espaço que reunisse a indústria para debater e pensar os festivais. Acreditaram na ideia e decidiram criar o Talkfest.

O que é que ainda há para discutir sobre os festivais?
Muita, muita coisa. Os debates acabam sempre com uma vontade de continuar e vêm muitas vezes continuar as conversas para fora do auditório. Realizadas estão duas edições, temos mais uma prestes a acontecer, e muitos temas ficaram de fora, já existem alguns alinhados para o próximo ano mas o resultado desta edição irá certamente revelar novos pontos de discussão.

Que impacto é que acham que o Talkfest pode trazer (já traz) para os festivais?
Acreditamos que os festivais beneficiam deste espaço, desta enorme reunião de interessados. No ano passado tivemos no Talkfest, por exemplo, os criadores do Fusing Culture Experience um festival de sucesso que se realizou pela primeira vez em 2013. Este ano as PRO – Apresentações Profissionais, para além de todas as outras vertentes, são uma área concebida exatamente para a apresentação de projetos e ideias que podem trazer beneficio para os festivais. No Talkfest’14 vamos ainda apresentar o estudo que desenvolvemos sobre o perfil dos festivaleiros que é um ponto importante desenvolvido ao longo deste ano que acreditamos vir a ser benéfico para os festivais de música portugueses, detando por exemplo que são demasiados festivais a acontecer (mais de 120 só em 2013) perante o rendimento que têm e o que gastam e consomem em média nos festivais.

No geral, qual é o vosso balanço até agora?
O balanço é bastante positivo temos um publico interessado, participativo e com vontade de saber e conhecer mais. Foi por isso que este ano desenvolvemos uma forte componente internacional (que traz a Portugal figuras de referência dos festivais de música como Martin Elbourne booker do Glastonbury ou Fiona Stewart diretora do Green Man Festival) e três novas áreas, como as PRO – Apresentações Profissionais mas também os Documentários e os Seminários.

Quais as vossas perspectivas para o Talkfest deste ano?
Esperamos sobretudo que seja uma edição produtiva, reveladora e esclarecedora. Criámos uma programação que procura obedecer a esses critérios e proporcionar ao público uma experiência enriquecedora. Sentimos que temos cada vez mais a indústria do nosso lado, percebendo o nosso papel e assim ajudar todos, sem excepção, a rentabilizarem os seus eventos.

E o que têm na manga para que a marca Talkfest crie buzz fora da altura dos festivais?
Temos na manga novos projetos, o Talkfest é cada vez mais uma marca que vive da edição mãe mas que ganha independência e consegue ser cada vez mais abrangente. É o caso do curso Music Festivals Management que vai decorrer no ISEG de 14 a 17 de abril e que esgotou, foi o caso das edições especiais (The National e Dealema). No entanto, para já, estamos focados no Talkfest’14 que ainda tem muitos e bons frutos para oferecer. Depois, estaremos aqui para nos adaptar ao que o mercado, marcas, promotores e público necessitam.

A equipa que organiza o Talkfest é composta por Ricardo Bramão, Tiago Fortuna, Marta Azevedo e Andreia Peixoto.