Quantcast


AS10 | Melhores Baterias de 2021

AS10 | Melhores Baterias de 2021

Nuno Sarafa

Fazemos aqui uma selecção daquelas que foram, para a nossa redacção, as melhores baterias acústicas, electrónicas, caixas de ritmo, pratos, tarolas e afins de 2021.

2021, o ano do desaparecimento de três gigantes do universo da bateria – Joey Jordison (Slipknot), Charlie Watts (The Rolling Stones) e, mais recentemente, Billy Conway (Morphine) – foi mais um ano atípico no que diz respeito ao sector dos espectáculos.

Um dos principais efeitos da pandemia foi a contracção das economias e, num ano em que não houve NAMM no formato tradicional, é perfeitamente compreensível que os últimos 12 meses não tenham sido muito pródigos em termos de novos lançamentos na área das baterias e acessórios. Mesmo assim, a indústria, apesar de todas as dificuldades, não só não parou, como nos trouxe algumas pequenas maravilhas.

Destacamos então alguns dos que foram, para nós, os melhores equipamentos para a malta das peles, numa lista que contempla pratos, baterias acústicas e electrónicas, caixas de ritmo, plugins e tarolas.

PAISTE SIGNATURE: EXPANSÃO DAS SÉRIES POWER, HEAVY E MELLOW | Começamos a lista com a Signature, uma das gamas mais apreciadas que a Paiste lançou em 1989 – a favorita de bateristas como Stewart Copeland ou Phil Rudd – e que recebeu uma forte remodelação no ano que agora termina, com a inclusão de vários e bons pratos nas séries Power, Heavy e Mellow.  Na série Power – pratos destinados a proporcionar uma projecção brilhante e clara para estilos mais pesados – destaque para os hi-hats nos tamanhos 14″ e 15″, juntando-se a estes os Crash 19″ e 20″ e os Ride 20″ e 22″. Na gama Heavy, há agora o hi-hat disponível como um par de 14″ e, para terminar, e porque nem tudo são reedições barulhentas, a Paiste criou – finalmente, dizemos nós – o Signature Mellow Ride 22″, uma versão maior do actual Mellow Ride de 20″, conhecido pelo seu som doce e suave e timbre rico e elegante. Mais informações aqui.

NOVAS TAROLAS LUDWIG ACROLITE | Uma das grandes novidades da Ludwig em 2021 foi o aumento da popular série de tarolas Acrolite, com a introdução dos novos modelos Acro-Brass e Acro-Copper. Utilizando o seu processo único de fabrico de renome mundial, a Ludwig apresentou assim as duas novas estrelas da companhia, disponíveis num único tamanho: 14×6,5″. Tanto a Acro-Brass como a Acro-Copper possuem um casco de latão escovado com 1mm de espessura, coroado com aros triplos polidos e lugs Small Twin. Ideais para os bateristas que procuram aquele som ligeiramente mais seco, mas sem perder o harmónico natural do casco metálico. Sabe mais aqui.

GRETSCH: TAROLAS DE ASSINATURA DE KEITH CARLOCK E GERGO BORLAI |A Gretsch entrou no ano com o lançamento de duas novas tarolas de assinatura: Keith Carlock (Steely Dan, Toto, John Mayer) e Gergo Borlai (baterista-estrela vindo da Hungria). Comecemos por Keith Carlock, um fã de longa data de tarolas de metal, pelo que faz sentido que a sua assinatura 14 “x5.5” seja construída com esse material, tendo um casco de latão com 2mm de espessura. Para aumentar o sainete, a marca norte-americana desenvolveu um composto especial, dando ao latão um aspecto antigo e vintage. Quanto a outras características, destaque para os aros de 4mm fundidos, bordão com 20 tiras metálicas e uma pele Permatone padrão, desenvolvida pela Remo para a Gretsch. Cada peça vem marcada com uma etiqueta de identificação especificando o ano de produção, bem como a assinatura do próprio Keith Carlock. Quanto ao modelo Gergo Borlai, trata-se de um casco de latão de 14 “x4,25, 1,2mm de espessura, com acabamento a jacto de areia que lhe confere uma textura interessante. Tal como o modelo de Carlock, a tarola apresenta um bordão com 20 cordões metálicos e sistema Gretsch Lightning e aros fundidos de 4mm de espessura. Todas as informações sobre as tarolas Gretsch reunidas aqui.

AKAI MPC STUDIO | A Akai trouxe-nos a nova MPC Studio, um pacote de produção acessível para «os criadores de música modernos». Nos últimos tempos, o foco da Akai no que respeita à gama MPC tem sido nos seus modelos autónomos – MPC X e MPC Live -, mas agora, com a nova MPC Studio, a marca regressa ao modelo híbrido de software/hardware, incluindo tanto um controlador como o MPC2 DAW, que também pode funcionar como um plugin. O hardware da MPC Studio é construído em torno de 16 pads sensíveis à pressão e à velocidade, todos com retroiluminação RGB e suporte aftertouch. Há também uma tira táctil atribuível que pode ser utilizada para adicionar expressão extra às performances do utilizador, enquanto o feedback visual é oferecido pelo visor LCD a cores. Quando utilizada com o software, a MPC2 promete todas as características que tornaram a gama MPC tão popular: samplagem, groove, swing e quantização e sequenciação e arranjo MIDI. A nova MPC Studio ostenta ainda oito instrumentos plugin incorporados, incluindo o Hype (AIR), Mellotron e Solina e Odyssey (WayOutWare). Sabe tudo aqui.

YAMAHA DTX10 e DTX8 | A Yamaha aperfeiçoou ainda mais a reprodução fiel do som e sensação de uma bateria acústica autêntica com a introdução destes dois novos modelos. Tanto a DTX10 como a DTX8 contam com pads redesenhados e exclusivos em TCS (Silicone Celular Texturizado) e agora também com peles de rede (mesh) desenvolvidas pela Yamaha e fabricadas pela Remo. Os novos pads têm um acabamento em vidoeiro (birch) real e partilham o aspecto naturalmente elegante das versões acústicas, uma vez que a Yamaha oferece o mesmo requinte nos acabamentos Black Forest e Real Wood utilizados também nas baterias acústicas. O novo módulo DTX-PROX, incluído nas novas DTX10, está equipado com MIDI e USB para integrar facilmente com uma DAW. Podem ser ligados até 14 pads ou triggers a este módulo, o que permite criar também kits híbridos. Tem saídas individuais, e inúmeras opções de edição poderosas dentro do módulo, podendo adicionar efeitos de estúdio que combinam os sons do módulo com programas como o Superior Drummer ou o EZDrummer. Mais informações aqui, aqui e no vídeo que se segue.

ROLAND LEVA TR-707 e 727 PARA O DIGITAL | A Roland recuperou em 2021 dois algo obscuros circuitos analógicos dos anos 1980, as groovebox TR-707 e 727, para o contemporâneo mundo digital. E não podíamos ter ficado mais contentes!  As caixas de ritmo em Software TR-707 e TR-727 oferecem a experiência totalmente autêntica destas máquinas clássicas, directamente para o teu estúdio. E apesar de captarem a energia vintage destes instrumentos, são completamente modernas, oferecendo compatibilidade com os workflows actuais. Os interfaces de utilizador detalhados são completamente redimensionáveis para qualquer configuração de monitor, e podes fazer “drag and drop” de MIDI e patterns de áudio diretamente para as tuas pistas ou cells. Os dois plugins são compatíveis com VST3, AAX e AU e possuem compatibilidade nativa com a Apple silicon. Mais info e samples na Roland e aqui.

TAMA: NOVAS VERSÕES DA STARCLASSIC PERFORMER | A Tama começou 2021 com estrondo ao reintroduzir o kit Starclassic Performer, agora com combinações diferentes de madeira. Desde a sua introdução, em 1994, estes modelos eram em birch, bubinga ou maple, assim como os mais recentes híbridos feitos com birch/bubinga e nogueira/birch. Agora, para a nova vida da Starclassic Peformer, a Tama combinou duas das madeiras mais comuns utilizadas na construção de baterias: maple e birch. A tarola e os timbalões apresentam cascos de 6mm, construídos a partir de quatro folhas de bétula (birch) e duas folhas interiores de bordo (maple), enquanto os bombos têm 7mm com cinco folhas de bétula e duas folhas interiores de bordo. A Starclassic Performer maple/birch está disponível em Molten Steel Blue Burst e Caramel Aurora, de aspecto exótico, e também no mais tradicional Piano Black e Dark Cherry Fade para aqueles que querem manter as coisas mais simples. As novas Starclassic Performer vêm com peles Evans G1, sistema de montagem em Star-Cast e arcos fundidos e estão disponíveis em duas configurações: a primeira de quatro peças (bombo perfurado de 22 “x16”, tom de rack de 10 “x8” e 12 “x9” e tom de chão de 16 “x14”) e a segunda de cinco peças (bombo não perfurado de 22 “x16”, tom de rack de 10 “x7” e 12 “x8”, tom de rack de 14 “x12” e tom de chão de 16 “x14”). Mais informações aqui.

ROLAND VAD-706 | A Roland apresentou este ano a nova VAD706, a bateria electrónica mais acústica de sempre. Com o lançamento dos seus kits VAD (Virtual Acoustic Design) em 2020, que a AS teve a oportunidade de testar, a nova VAD706 leva a experiência da bateria electrónica mais além, combinando as tecnologias de ponta da Roland V-Drums com o detalhe artesanal das baterias acústicas premium. Este kit V-Drums Acoustic Design topo de gama apresenta pads digitais de tarola, ride e prato de choque que trazem uma tocabilidade ultra-detalhada às três peças com mais nuances do kit. Cascos de madeira em tamanho real incluídos, com sistemas de sensor avançado que proporcionam uma sensação acústica real. A VAD706 está disponível num kit de cinco peças com bombo de 22″, timbalões de 10″/12″/14″ e a tarola digital PD-140DS. No departamento dos pratos, a VAD706 inclui o novo VH-14D digital hi-hat, o CY-18DR digital ride e um par de pratos crash modelo CY-16R-T. O novo kit apresenta quatro deslumbrantes acabamentos: Gloss Cherry, Gloss Ebony, Pearl White e Gloss Natural. Todas as informações aqui.

SONOR AQX | A Sonor chegou-se à frente e lançou uma gama acessível, a AQX, disponível em cinco configurações. Para todos os gostos e estilos musicais. Desde o kit de estúdio, passando pelo de palco ou o mais virado para o jazz. O modelo Stage, mais convencional, inclui bombo 22″, toms 10″, 12″ e 16″ e tarola 14″, enquanto o Studio traz bombo 20″, toms 10″, 12″ e 14″ e tarola 14″. Ambos os kits incluem o novo conjunto de hardware da Sonor Série 1000 e um conjunto de pratos de bronze B8 Bronze com hi-hat 14″, crash 16″ e ride 18″. Quanto a kits de formato mais encolhido, quem não se lembra do modelo Jungle dos anos 90? Pois bem, inspirando-se nesse modelo icónico, a marca germânica desenhou, para quem gosta de baterias mais pequenas, ou para quem tenha pouco espaço, os novos modelos Micro, Jungle e Jazz, todos com bombos pequenos, respectivamente 14″, 16″ e 18″. Com cada kit pequeno da série AQX é composto por um conjunto de quatro peças incluindo uma tarola (13 “x6”) e apresenta a mesma construção de casco – 100% choupo para ajudar a cortar peso sem perder qualidade sonora ou projecção. No mais, toda a gama AQX vem equipada com peles graves já abafadas com muffle. Quanto a acabamentos, a Sonor manteve a sua abordagem de opções padronizadas em toda a série: Black Midnight Sparkle, Blue Ocean Sparkle ou Red Moon Sparkle. Basta portanto escolher o kit e seleccionar o acabamento desejado. Confere tudo aqui.

PEARL PRESIDENT | Terminamos esta lista com uma das nossas favoritas. Clássico intemporal dos seus 75 anos de história, a gama President foi responsável por levar o nome da Pearl para lá das fronteiras do Japão, muito por culpa dos benefícios únicos dos cascos fenólicos hermeticamente pressurizados. A gama President Phenolic é uma Edição Limitada, com o estilo vintage intacto e a clareza de notas evidente, desde o primeiro toque. A elegância do emblema original da Pearl, o logótipo clássico no bombo e o deslumbrante acabamento Pearl White Oyster conferem a esta série uma identidade fiel ao seu legado. Limitado a 100 unidades em todo o mundo, cada kit de bateria President Phenolic vem com uma tarola 14 “x5,5” com peles Remo e suporte de prato montado no bombo, na seguinte configuração: bombo (22″ x14″), timbalão de chão (16″ x16″) e timbalão de rack (13″ x9″). O preço de cada kit desta belíssima edição limitada é de 2,689 euros e podes obter mais informações aqui.

EGITANA