Escolher a Ponta Ideal da Baqueta

Escolher a Ponta Ideal da Baqueta

Redacção

Os principais tipos de pontas das baquetas e quais as suas características básicas.

Se estás a iniciar o teu percurso como baterista, escolher as baquetas pode ser uma questão difícil. Nem vamos falar no que implicam as diferentes madeiras no som da vossa batida. Vamos falar em algo ainda mais minucioso e que, acreditem ou não, determina muito do vosso som. Estamos a falar da ponta da baqueta.

Existem vários materiais para este componente particular. De um modo geral, as pontas de madeiras (as mais comuns) sugerem um som mais neutro ou, pelo menos, por estarmos mais habituados a ouvir o seu som, é essa a referência para a maioria de nós, daí considerar-se neutro; as pontas de nylon são, normalmente, mais brilhantes nos pratos; as de feltro (mais usadas orquestralmente) são usadas para uma vibração mais sustentada e controlável dos pratos, permitindo criar crescendos de volume gradualmente. Também existem pontas em fibra. Ok são resistentes, mas são também sonoramente desagradáveis.

E os tamanhos? Há muitos tamanhos e formatos diferentes e cada um possui a sua resposta e som particulares. Vamos olhar aos principais tamanhos e formatos (há muitos além destes, muitos mesmos) e ver as características de cada um. Apenas para terem umas luzinhas. E já será bastante em que pensar.

OVAL | Esta forma arredondada é usada (e possui essa versatilidade) para vários estilos. Produz um som caloroso e suave. No que respeita à resposta física, ressalta bastante bem na batida e acrescenta uma sensação de leveza nesse momento.

COGUMELO | É das formas mais comuns para estilos rock. Precisamente porque produz um som bastante preenchido e com muito volume e a resposta é bastante decente. Outras características que os bateristas roqueiros apreciam é a sua durabilidade e o peso equilibrado.

BARRIL | Forma com extrema resistência e usada para criar bastante volume. Talvez por isso sejam mais comuns em bandas filarmónicas. Soa nas horas nos pratos crash, mas é muito agressiva para as peles. A ponta é um pouco pesada, não dando muito equilíbrio ao manuseamento. Se precisam de “estalo” em estúdio, é destes barris que precisam!

BOLA | Este é um formato algo comum no universo jazz ou, especificamente, para utilizar com tarolas. O som que produz é bastante brilhante e ríspido. Também soa bem nos pratos. Ressalta muito bem e é muito equilibrada no manuseamento. O senão? Muito frágil.

NYLON | As baquetas com pontas em nylon começaram por ser mais aceites pela comunidade das baterias electrónicas, mas lentamente foram conquistando admiradores em todos os quadrantes. Desde logo porque este material torna as pontas muito mais resistentes que a madeira. Além disso, este formato dá bastante nitidez ao som e soa muito bem nos pratos.