DW Drums, Novos Cascos Híbridos Purple Core

DW Drums, Novos Cascos Híbridos Purple Core

Redacção

A DW anunciou os novos cascos híbridos Purple Core, que vão a partir de agora fazer parte da vasta gama de opções de conchas personalizáveis da marca, que promete notas ainda mais graves.

Os novos cascos da DW têm três camadas de madeira, numa combinação de maple, cerejeira e mogno norte-americanos e o resultado são as notas mais graves alguma vez oferecidas pela marca. Segundo a DW, a direcção do grão de madeira na construção da concha contribui fortemente para as suas características sónicas. A tensão do grão, num alinhamento horizontal, dá a uma peça de bateria uma força natural e uma nota mais aguda. Uma orientação vertical, embora oferecendo uma nota mais grave, pode afectar a integridade e a força da madeira.

John Good, Drum Designer da DW, passou anos a pesquisar como tirar partido de uma série de colocações de grãos com combinações de diversas madeiras para alcançar uma gama mais ampla de qualidades tonais. A espécie Purpleheart, por ser uma madeira densa e dura, é uma das poucas que pode ser utilizada desta forma para manter a integridade estrutural do casco.

Fruto da combinação de madeiras como maple, cerejeira ou mogno, as novas conchas oferecem uma vasta gama de características sónicas altamente versáteis. O maple proporciona a máxima ressonância, projecção e ataque, enquanto a cerejeira tem uma clareza melódica distinta com uma tonalidade mais quente em comparação com o maple. Já o mogno é mais macio, e permite um som mais profundo, mais rico e mais escuro. Um aro de reforço de 3 camadas mantém ainda mais a integridade estrutural e fornece uma nota mais focalizada.

O designer da série Purple Core, John Good, afirma: «Este é um grande avanço para nós. Há muito tempo que procuramos uma forma de fazer uma concha a partir de folheados de grãos curtos, mas queríamos que fosse algo que suportasse o teste do tempo. A natureza do Purple Core permite-nos fazer isto. Criámos uma bateria com uma frequência realmente grave, mas com todo o ataque e presença que queríamos. Mal podemos esperar que bateristas e engenheiros ouçam o que aqui temos».

Mais informações aqui.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA