Edição Limitada Do WURHM, Inspirado no BOSS HM-2 MIJ

Edição Limitada Do WURHM, Inspirado no BOSS HM-2 MIJ

Redacção

A KMA Machines fez uma edição limitada do pedal de distorção WURHM, inspirado no mítico Boss HM-2 MIJ. Mega serrote!

Chamar a um pedal lendário ou clássico de culto é, muitas vezes, um exagero, mas no caso do Boss HM-2 MIJ (já descontinuado) não será tanto assim. Com timbres de distorção brutais, este pedal ajudou a definir o som de muito do metal que se tem feito, dos Dismember aos Entombed, ao passo que as paredes de ganho e sustain viram-no ‘imiscuir-se’ nos mundos do shoegaze e do prog rock.

Em homenagem a essa ‘motosserra’ laranja, a KMA Machines desenvolveu o WURHM e, para assinalar as mil unidades produzidas, chega a agora a segunda versão, disponível numa edição limitada a 200 unidades.

Pegando nos ingredientes essenciais do original, a KMA Machines manteve a clássica secção activa de EQ e adicionou mais duas bandas, dando uma gama muito mais ampla de timbres para personalizar o som de distorção já de si granulado. Cada banda tem um potenciómetro interno para alterar a frequência central e afinar o seu timbre. Para alternar entre o alto controlo original HM2 e a banda média WURHM, foram acrescentados interruptores DIP internos para ainda mais variações tonais.

Assim, e para os fãs da old school, pode mudar-se agora entre o alto controlo original do HM-2 e as bandas de EQ concebidas pela KMA Machines: activando o interruptor 1, selecciona-se o modo WURHM high-mids; para obter o som clássico da motosserra, basta desligar esse primeiro interruptor e ligar o segundo na posição lows e high-mids. Activando ambos os interruptores, obtém-se três bandas, controláveis através do parâmetro high-mids.

A nova versão do WURHM custa 219 euros, é alimentada por uma PSU padrão opcional de 9V DC (centro negativo, 2,1mm, cerca de 10mA de corrente) e quem a adquirir ainda recebe uma t-shirt de edição limitada. Vê o vídeo de demonstração e obtém mais informações aqui.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA