Fender Aponta ao Baixo e Guitarra Acústica nos Novos Pedais

Fender Aponta ao Baixo e Guitarra Acústica nos Novos Pedais

Nero

A Fender apresentou um novo pedal wah, um de volume/expressão, um reverb para guitarras acústicas e uma distorção para baixo.

A Fender continua a aumentar o seu catálogo de 2020. Depois dos recentes anúncios da nova Tele de assinatura de Brent Mason e dos novos amplificadores digitais e acústicos, a marca californiana aumentou a sua linha de pedais.

Dois pedais surgem mais dentro do tradicional dos modelos Stan Cotey. O Acoustic Preverb é um reverb específico para guitarras acústicas, com três modos de reverb digital separados. Os controlos são Level, Gain, Damping e Time, tal como o toggle switch para eleger o modo de reverb a activar. Para prevenir feedback há um toggle de polaridade, tal como um notch filter opcional (corta a frequência de ressonância do corpo do instrumento acústico). O knob “Tilt” permite controlar a equalização.

O Trapper Bass Distortion apresenta dois circuitos de distorção separados, à semelhança do modelo Trapper original. A diferença é que podem somar os circuitos neste pedal, pois há footswitch independente para cada um deles. A “distorção um” é controlada por Tone, Level e Gain; a “distorção dois” por Tone, Level, Gain, Sub Level e Frequency. Resta acrescentar que a Distortion One tem um circuito de crossover para, na mistura, preservar a definição e o punch dos graves. Já a Distortion Two tem mais gain disponível ao pisar o pedal.

As novidades incluem ainda o Tread Light Wah. Sobre este modelo ainda não existem muitos detalhes. Contém três toggle switches que permitem aumentar a personalização do efeito wah, controlando a acção das frequências médias, e um indicador bypass LED para assinalar a activação desse modo no pedal. Outra das novidades é o Tread Light Volume/Expression, num chassis muito similar ao wah. O modo de operação (volume ou expressão) é definido pelo jack que ligam. Também possui o toggle switch para assinalar o modo de operação.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.