Fender Revela Dificuldades em Manter Stock de Guitarras Após Boom de Vendas

Fender Revela Dificuldades em Manter Stock de Guitarras Após Boom de Vendas

Redacção

Nieve Cavanagh, vice-presidente de marketing da Fender para a Europa, Médio Oriente e África, explica os efeitos de um ano com o maior volume de vendas de guitarras de sempre. A marca praticamente não consegue manter stock dos instrumentos chamados “de entrada”.

Ficar em casa durante meses fez com que muita gente comprasse instrumentos musicais. E isso, defendeu o CEO Andy Mooney, há uns meses, foi uma excelente notícia para a Fender numa altura em que a marca já estava a fechar fábricas e a fazer cortes salariais. No entanto, cada medalha tem o seu reverso e a Fender está a sentir agora os efeitos do boom de vendas de guitarras que se seguiu ao primeiro confinamento mundial.

O vice-presidente de marketing da marca para a Europa, Médio Oriente e África, Nieve Cavanagh, foi questionado pela Music Industries Association sobre o aumento de pessoas que compraram guitarras ao longo de 2020 e observou que esse foi o ano de maiores vendas da marca em toda a sua história, graças ao «aumento acentuado da procura de instrumentos de nível de entrada, o que sugere que houve um aumento significativo de pessoas a pegar na guitarra ou no baixo pela primeira vez».

As guitarras da série Fender Player, assim como as Squier, foram as mais vendidas, com as vendas dos modelos abaixo das 500 £ a crescerem 92% de Março a Outubro do ano passado. Ainda segundo Cavanagh, o boom significa que neste momento a marca «está a ter dificuldades em manter produtos em stock».

Mas não foi apenas a Fender que viu um enorme aumento nas vendas de instrumentos nos últimos meses. Também os retalhistas no Reino Unido e nos EUA relataram aumentos globais nas vendas, mas especialmente na categoria de guitarras para principiantes, reforçando mais uma vez a ideia de que os músicos em início de carreira utilizaram o confinamento como oportunidade para fazer encomendas de instrumentos e começar a aprender em casa.

O chefe executivo da Gear4music, Andrew Wass, disse à BBC em Junho do ano passado que os bestsellers da empresa eram pacotes de guitarras eléctricas e acústicas, microfones e equipamento de gravação, dizendo também que «as pessoas estão interessadas em ter um passatempo realmente bom. Talvez tenham tocado música na escola e se tenham encontrado dentro de casa e tenham decidido voltar a ela».

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA