Fender Offset Duo-Sonic & Mustang 90 em Teste [Vídeo]

Fender Offset Duo-Sonic & Mustang 90 em Teste [Vídeo]

Nero

Surgiram numa fase de transição, na qual a Fender começou a pensar no desenvolvimento dos seus instrumentos também com as mulheres em mente. Remakes a clássicos do final dos anos 50/início dos 60, a Duo-Sonic e a Mustang são feras cheias de espírito punk e guitarras para serem levadas a sério.

Fender passou por mutação recente e 2017 foi um ano axiomático na redefinição da gigante marca de instrumentos musicais. Aliás, a aposta da marca significou o convite exclusivo à Arte Sonora, como meio de comunicação social português, para acompanhar de perto todas as novidades da Fender Musical Instruments Corporation na NAMM’17, em Anaheim, Califórnia.

Reforçando a importância do ano para a marca, com a introdução dos novos modelos American Professional e tudo o que isso implica sónica e historicamente, realçando o desejo de chegar a uma nova geração de músicos, algo também bastante latente na novo gama Offset , que serviu de preâmbulo à Player Series.

Não era grande segredo e a Fender apresentou no ano seguinte a sua nova gama Fender Player Series, que se tornou a substituição directa da extinta gama Standard. Não confundir com a extinta gama American Standard, substituída pelas American Professional. Estas são as guitarras mais acessíveis construídas em Ensenada, na Baixa Califórnia, no México. As Player Series surgem com actualizações de design nos pickups, braço e escala. Corpos ressonantes em alder e várias novas cores e configurações de pickups em modelos para destros e canhotos.

Estas Offset e Player foram uma das formas de a marca atingir um dos grandes objectivos dos últimos anos, ter mais mulheres a tocar guitarra. Na altura, o marketing dizia-nos: «Estão pensadas para as mulheres guitarristas. Queremos muito ver mais raparigas a tocar Fender». Muito longe de serem modelos com um espírito mercantil condescendente, estas guitarras são feras.

Na altura pudemos pegar em dois dos modelos Offset que, numa segunda fase passaram a ser produzidos na gama Player. A Mustang 90 e a Duo-Sonic são guitarras dentro de um espectro económico acessível, cheias de estilo e output. Se ainda precisam de saber mais sobre os modelos, podem ver os vídeos que fizemos com cada um e as impressões que nos deixaram.

MUSTANG 90

remake de um clássico, a Mustang foi originalmente estreada a meio da década de 60, a um preço bastante convidativo. Algumas características contemporâneas, como o perfil “C” do braço, tornam esta guitarra num cavalo de guerra para o garage rock e underground, com musculosos P90s cheios agressividade midrange, bastante orgânicos e com um som espesso. Vê o nosso teste e ouve Hugo Santos tocar riffs dos Process Of Guilt e dos Unsane, AQUI.

DUO-SONIC

A história da Duo-Sonic remonta ao ano de 1956. Introduzida na era dourada do rock ‘n’ roll, tornou-se uma guitarra eleita pelo underground dos clubes obscuros de Nova Iorque, onde foi fomentada a música alternativa da época, que precedeu a entrada da sonoridade nos anos 60. Braço super confortável. Os pickups soam bem vintage, quer no output quer no perfil sonoro, bastante limpos e com um punch cheio de twang. Confirma na nossa review, também com vídeo, AQUI.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.