AS Reviews: Fender Ramparte [Vídeo]

AS Reviews: Fender Ramparte [Vídeo]

Paulo Basilio

O Ramparte é um combo valvulado super badass da Fender Pawn Shop. Elegante, este amplificador não é só looks.

O Ramparte é um combo valvulado da Fender Pawn Shop. Elegante e simples, com um acabamento de tecido tipo relevo, a fazer lembrar os tecidos orientais do início do século passado. Mas este amplificador não é só looks e se fica bem em qualquer sala de estar (mesmo que sejam apenas posers e não toquem), pode ser uma mais-valia em estúdio.

É um amplificador de circuito simples, tipo boutique. Sem EQs, sem nada. Possui um par de válvulas 12AX7 na secção de pré-amp e uma válvula 6L6 na secção de power. Os 9 watts são berrados através de uma coluna específica da marca para o pequeno combo, a 12’’ Special Design Ramparte Speaker, com uma impedância de 8 ohms, que pode ser desligada para o amp ser ligado a uma coluna maior.

Possui dois inputs, o COOL VOLUME e o HOT VOLUME. O potenciómetro do primeiro chega ao 9 e o do segundo, ao gosto dos Spinal Tap, vai até ao 16. Tem o switch de on/off e é tudo o que precisa para fazer rock n’ roll.

No que respeita ao Som & Desempenho, é um amplificador simples, basta “carregar” no volume e temos o som mais limpo ou distorcido. Baseado nos amplificadores de boutique antigos, como eram os plexi ou mesmo os primeiros tweeds da Fender, o Ramparte envia o sinal directamente para a coluna – ultrapassando a sua amplitude, o sinal começa a comprimir e a ficar saturado, mais sujo e atinge o estado de overdrive. BACK TO THE 60s!

O COOL VOLUME é mais indicado para sons mais suaves. Com um headroom maior, para suportar o volume da guitarra sem distorcer, é capaz de oferecer um som mais preenchido por um maior espectro de frequências. Parece ser o canal mais bem conseguido, com um perfil sonoro não muito distante de um Fender Blues Junior, talvez não tão brilhante.

Já o HOT VOLUME é mais áspero, menos grave e menos agudo, mais focado na região média transmitida pela guitarra. Como o nome indica, e a própria configuração do seu potenciómetro, tem mais output. Soa muito alto e ainda que, naturalmente, sature mais, para um som mais distorcido, é capaz de manter uma boa abertura sonora

O Ramparte, até pela sala em que o testámos (o showroom da Fender Ibérica), dá toda a sensação de ser, principalmente, óptimo para estúdio. Para sacar aquele som de guitarra eléctrica bem old school, sem perder definição. Para o terem em casa e ligarem-se sem muita confusão de cabos, além de mandar uma grande pinta, é impossível de ser mais simples e manter-se tão satisfatório.

Resumindo os aspectos mais positivos, é simples, simples, simples. Tem headroom considerável e ainda a possibilidade de o ligar a uma coluna maior. Nos menos positivos, pela configuração e tamanho, é mais limitado nas soluções. Tem uma sonoridade demasiado vintage, se isso for um problema para o leitor, para nós não é!

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.

EGITANA