Fender: Ukulele de Assinatura de Dhani Harrison

Fender: Ukulele de Assinatura de Dhani Harrison

Redacção

A Fender desvendou o ukulele de assinatura de Dhani Harrison, filho de George Harrison. A primeira colaboração entre a marca e o multi-instrumentista/compositor vem com um pickup incorporado e um pré-amplificador – pronto para levar para o palco.

Com um tamanho de três quartos, o novo ukulele de Dhani Harrison está disponível em dois acabamentos: Blue Sapphire e Turquoise. Tem um topo sólido feito da madeira africana ovangkol e laminado da mesma madeira nas costas e nos lados, com a Fender a prometer um timbre mais quente e arredondado.

Não é todos os dias que se vê um ukulele com pickup e pré-amplificador, mas este novo instrumento de assinatura do filho do Beatle George Harrison tem um sistema electrónico especificamente concebido para performances ao vivo e encontrar o seu lugar numa mistura. O pré-amplificador tem controlos de Tone e Volume, além de um sempre útil afinador incorporado.

Cada uma das opções de acabamento tem as suas próprias incrustações na escala de nogueira, com gravações personalizadas na parte de trás de cada uke. No headstock – que combina agradavelmente com o acabamento do topo – encontram-se os afinadores de níquel selados. A ponte é de nogueira e a pestana em osso (largura de 35mm), com o comprimento de escala de 17″, o que o torna ideal, também, para crianças.

Dhani Harrison espera que o seu novo ukulele de assinatura traga alegria àqueles que o tocam, particularmente às crianças que aprendem o seu primeiro instrumento de cordas. Afinal de contas, do ukulele à guitarra, é apenas um salto.

«Queríamos torná-lo acessível. É ideal para as crianças quando estão a aprender ritmo e estrutura de acordes, porque têm mãos pequenas. Sempre achei difícil tocar guitarras grandes quando era miúdo, por isso tocava muitos ukuleles. O meu pai tinha uma imensa colecção de ukeleles».

O novo Dhani Harrison Signature Ukulele custa 259 euros e podes obter mais informações aqui.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA