Gibson Collector’s Edition 1958 Flying V & Explorer

Gibson Collector’s Edition 1958 Flying V & Explorer

Nero

A Gibson apresentou os novos modelos Custom Shop em homenagem às históricas ’58 Korina Flying V e Explorer. As más notícias é que as guitarras são tão elitistas e limitadas que só estão à venda nos EUA e nem podem comprar directamente, precisam telefonar à marca…

Depois do cancelamento em 2020, a Summer NAMM esteve de regresso a Nashville nos dia 15 a 17 de Julho de 2021. Com cautelas e um rígido plano de segurança, mas num formato bastante próximo do tradicional, aberto ao público. Nesse sentido, as marcas anunciaram várias novidades para o segundo semestre de 2021 em diante, caso da Gibson.

A gigante marca de guitarras anunciou oficiosamente que, depois dos dois modelos Custom Shopchegará a versão USA Standard da Adam Jones Silverburst Les Paul, modelo de assinatura personalizado do guitarrista dos Tool. Já a nível oficial, foi anunciada e já apresentada a chegada da Slash Collection à Epiphone que, em Janeiro passado, o guitarrista dos Guns já havia mostrado; a muito antecipada assinatura de Jerry Cantrell, além de novos modelos de assinatura de Tony Iommi e Nathaniel Rateliff e ainda os novos modelos Custom Shop em homenagem às históricas ’58 Korina Flying V e Explorer, agora apresentados oficialmente.

Após três anos de desenvolvimento, durante os quais foram utilizados scanners 3D para mapear as dimensões e contornos exactos das guitarras eléctricas originais de 63 anos e da proveniência exacta da madeira, a Gibson lançou as suas Collector’s Edition 1958 Flying V e Explorer.

Construídos em korina e com escalas em rosewood brasileiro, envelhecidos artesanalmente no recentemente inaugurado Murphy Lab, estes serão certamente os modelos de réplicas vintage mais procurados do ano – ou de qualquer outro ano – e serão certamente contados entre as maiores conquistas da Gibson Custom Shop. Pela teconologia e recursos empregues e pela precisão das réplicas. O jogo parece estar a mudar, de facto. Tal como sucedeu com os modelos originais de 1958, haverá apenas 19 Explorers e 81 Flying V’s disponíveis – números que tornaram mais difícil a tarefa da Gibson na recriação dos instrumentos, uma vez que procuravam exemplos imaculados para digitalizar. Aliás, a Gibson não os considera como reedições ou réplicas, mas sim como clones.

Todas as características são cronologicamente correctas e ambas as guitarras serão enviadas em estojos castanhos historicamente precisos, com interiores de pelúcia rosa. Dentro deles encontram-se um cabo vintage, correia e algumas palhetas de guitarra, por exemplo. Mais o documento de certificado, naturalmente.

Cesar Gueikian não podia estar mais orgulhoso: «O projecto Custom Shop Flying V and Explorer levou três anos a desenvolver-se através da magia e arte das equipas da Gibson Custom Shop, incluindo os nossos luthiers juntamente com Tom Murphy, Mat Koehler, Mark Agnesi, Cody Higbee, e o resto da nossa equipa do Gibson Lab. Utilizámos tecnologia de digitalização 3D, para digitalizar múltiplos modelos Flying V e Explorers (feitos em 1958) e criar os clones mais autênticos e idênticos humanamente possíveis».

Em termos de especificações, a madeira – e o meticuloso controlo do lacado envelhecido – é a estrela do espectáculo. O modelo Explorer é composto por um corpo de korina de uma só peça e o Flying V de duas peças com uma costura central. Os braços são peças sólidas desta exótica madeira também. Escuro, luxuoso e cada vez mais raro, foi usado rosewood brasileiro autêntico nas tábuas das escalas. Na electrónica, ambas as guitarras hospedam um par de humbuckers Custombucker PAF, controlados por dois botões de dois volumes, dois de tone e um selector de pickups de três vias.

A Flying V fez a sua primeira aparição pública em Março de 1957, na Hauer Music House, onde decorria o Gibson Day e os novos modelos da marca estavam a ser exibidos por Andy Nelson. No ano seguinte, a V e a Explorer foram colocadas à venda. Dado que foram produzidos tão poucos, estes modelos de ’58 têm um culto a seguir. Um dos primeiros Vs foi comprado por Lonnie Mack. Talvez o mais famoso modelo ’58 Joe Bonamassa, cujo “Amos” V foi originalmente comprado por Pete Mitchell da Arthur’s Music em 1958 e já foi alvo de réplica Epiphone.

Ainda não foram lançados preços para estes modelos Collector’s Edition e a má notícia para os coleccionadores internacionais é que só estão à venda dentro dos EUA. Mas haverá um lançamento mais alargado a chegar em Setembro de 2021. Para mais detalhes, dirijam-se à Gibson. Este lançamento é de tal forma elitista, que não há ali nenhum add-to-cart. Há um número de linha directa que te fará passar para a Gibson Garage.

Vale a pena recordar que, em 2019, o Tribunal Geral da União Europeia, onde a gigante marca norte-americana tinha um processo a decorrer desde 2010, tendo aplicado o design Flying V para patente no European Union Intellectual Property Office (EUIPO), desconsiderou as pretensões da Gibson e negou a patente, após acção da Warwick e Framus.

[EDITADO]: O preço de mercado foi agora anunciado e  estabelecido nos 10 mil dólares ($9.999) por réplica. Recordamos que só estão à venda nos Estados Unidos da América.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA