Gibson G-Force: como funciona a afinação automática

Gibson G-Force: como funciona a afinação automática

Nero

O sistema de auto-afinação G-Force vai estar presente no line-up 2015 da Gibson. À partida é uma opção polémica. Vamos descobrir como funciona, de facto.

O automatic tuning (afinação automática) pode tornar-se, a breve trecho, uma tendência. Cada vez mais é visível o uso de clips de afinação no headstock de músicos profissionais e, claro, a Gibson anunciou que praticamente todos os seus modelos para 2015 vão estar equipados com o seu próprio sistema, o G-Force.

É certo que é muito pouco rock n’ roll ter um clip no headstock ou um afinador automatizado na própria guitarra. Mas sem dúvida que tem as suas vantagens. Desde logo, em estúdio (onde não há o risco de parecerem “quadrados”) um sistema de auto-afinação pode poupar imenso tempo em takes enviados para o lixo pela perda de afinação no instrumento. Depois, os novos sistemas oferecem a possibilidade, praticamente, instantanea de experimentar afinações alternativas.

Mas, pegando na Gibson e nos modelos de 2015, como funciona mesmo o sistema G-Force?

Cada um dos afinadores possui um pequeno motor que pode enrolar ou desenrolar a corda, aumentando ou relaxando a tensão, respectivamente. No sistema G-Force, estes pequenos motores estão optimizados para afinação de guitarra e, claro, podem também ser desligados, activando a afinação manual. Isto é útil, pois os motores necessitam de estar com a bateria carregada e, no caso de a bateria “morrer”, não vão ficar com a afinação “destrambelhada”. Antes que pensem que a bateria é um empecilho inútil que vai “estourar” após uma música… A autonomia do sistema permite cerca de 100 afinações.

GForce

O G-Force permite também personalizar afinações. Manualmente estabelecem a afinação (ou desafinação) que desejam e podem depois armazená-la na memória do G-Force. O controlador vai “sentir” a vibração das cordas e, depois, medir a frequência de cada uma das cordas individualmente. Se uma das cordas estiver fora do pitch, o controlador envia um sinal de correção para o motor, que irá apertar ou desapertar a corda, fazendo a compensação necessária. A afinação torna-se desafinação, se o desejarem. Por exemplo, tocam com uma afinação barítono (B) com Drop A e gostam de sentir a corda mais grave a vibrar “descontrolada”, criando uma certa dissonância. Basta estabelecer o pitch que desejam nessa corda e o G-Force vai assumir sempre essa afinada “desafinação”. A Gibson faz ponto de honra em afirmar que o som da guitarra permanece inalterado.

A afinação torna-se desafinação, se o desejarem.

O G-Force possui várias funções: afinações alternativas; afinações personalizadas, afinação de instrumentos afinados entre si, mas fora do pitch correcto; permitir referências individualizadas de frequências para cada corda; afinação com capo… Tudo baseado na mesma premissa, a medida que o G-Force faz do pitch das cordas e o envio de sinais de compensação para os motores que, por sua vez, colocarão a corda no pitch perfeito (ou imperfeito, se o desejarem).

Com uma capacidade de memória superior à do seu antecessor, o Min-Tune, o G-Force possui capacidade para 36 presets de afinação, dispostos em 6 bancos. Podem alterar os presets em qualquer altura ou revertê-los sempre para a configuração de fábrica.