HeadRush FX, Novo Multiefeitos MX5

HeadRush FX, Novo Multiefeitos MX5

Nero

A HeadRush FX atirou-se ao mercado em expansão das pedaleiras de multiefeitos com a MX5. A unidade está cheia de efeitos e modelos de amps e pretende competir com modelos tais como o Neural DSP Quad Cortex e ou a Line 6 Helix.

No que diz respeito ao hardware, o MX5 surge num robusto chassis metálico, com dois dois botões de controlo, três switches e um pedal de expressão. No centro de operações está um ecrã táctil (a cores) de 4 polegadas, que serve como interface principal para a criação e modificação de patches, com operação drag and drop dos componentes da plataforma virtual. Nos I/Os temos jacks de entrada em mono e de saída stereo, jack de auscultadores de oito polegadas e ligações auxiliares, entrada e saída MIDI, um loop de efeitos e um para pedal de expressão externo.

Há também um port USB para maior controlo e carregamento de um número «virtualmente ilimitado», diz a HeadRush, de respostas de impulso. Este port pode também permitir que o MX5 funcione como interface áudio ou como uma unidade de re-amping, ligando-se directamente a uma DAW com uma qualidade de até 24-bit 96kHz. Podem também transferir-se predefinições e loops e actualizar o firmware do MX5 usando este modo de ligação.

Precisamente, o factor mais importante nisto tudo é, sem dúvida, o firmware, que disponibiliza uma biblioteca de 50 modelos de amplificadores de guitarra e baixo, 15 modelos de colunas, 10 emulações de microfone de captação, 300 respostas de impulso e 66 efeitos. Tal como outras unidades nesta categoria, a enorme quantidade de efeitos, amplificadores e colunas tornam esta uma solução all-in-one que pode ser integrada num rig maior, mas ainda assim aguenta-se sozinha no palco, ligada directamente ao PA, e, claro, sente-se em casa no ambiente de estúdio.

Há algumas outras características no MX5 que valem a pena destacar. Por exemplo, a mudança de presets é “gapless”, com reverberações e delays a prosseguirem o decair natural como se estivessem ainda activos, quando mudam para outro efeito. Há um looper integrado no circuito que pode ser controlado através do ecrã. O FX loop é em stereo para facilitar a integração da plataforma com o rig – e também significa que se pode ligar a unidade a um amplificador de guitarra usando o método “quatro cabos”, para colocar blocos de efeitos antes e depois de um pré-amplificador e depois enviar esse sinal de volta para um power amp.

O MX5 foi lançado com um preço a rondar os 500 paus. Mais detalhes em headrushfx.com.

EGITANA