Ibanez Guitars, O Negrume da Renovada Gama Iron Label

Ibanez Guitars, O Negrume da Renovada Gama Iron Label

Nero

A Ibanez Guitars actualizou e recuperou a gama Iron Label, lançando três novas guitarras e dois novos baixos. O novo logo desta série de guitarras podia figurar no cartaz do SWR – Barroselas Metalferst!

Os novos instrumentos vêm todos equipados com um conjunto de características despretensiosas, focadas em forjar o aço e criar heavy metal como manda a lei e pouco mais. A sua estética é, principalmente, o preto acetinado, e entre as novas guitarras estão dois modelos da gama X – alguns dos instrumentos de design mais extremo que a Ibanez fabrica. Talvez por isso, a marca tenha criado um novo logotipo que presta homenagem ao metal extremo, deixando claro ao que as guitarras se destinam. Eis as novas Iron Label, das quais podem obter mais detalhes em ibanez.com.

XPTB620 & XPTB720 | Versões de seis e sete cordas, com poucas diferenças. Em ambas estão uma ponte vibrato Edge-Zero II, a versão Ibanez de um double-locking tremolo flutuante, e um par de PUs DiMarzio D-Activator. Estes são humbuckers passivos com magnetismo cerâmico. Ou seja, Bastante agressividade no ataque. Também partilham as especificações de corpo (okoume) e do braço (neck-thru) com perfil ‘wizard’ e escala em ébano de 24 trastes jumbo e uma extensão de 25.5”.

ICTB721 | Versão pesadona da Iceman em sete cordas, também com a mesma configuração de madeiras no corpo e braço dos modelos acima descritos.n Os pickups também são os activator, mas a ponte é fixa, uma unidade Mono-Rail (string-through).

BTB625EX | Modelo single-scale de cinco cordas com dois pickups passivos Bartolini BH2. A escala (de 35”) é no sintético ebonol, percorrida por 24 trastes de aço inox. O braço é composto por cinco folhas de maple e walnut, atravessando o corpo okoume.  Ainda na electrónica, um selector de três vias ajusta o recorte de médios, além dos controlos de balance, master volume e treble/bass boost/cut.

SRMS625EX | Modelo multi-scale de cinco cordas em tudo semelhante ao anterior. A electrónica difere pela inclusão de um switch para fazer bypass à secção de EQ.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA