Manutenção da Guitarra: Humidade

Manutenção da Guitarra: Humidade

Redacção

Quando se fala de humidade, e se na mesma frase há instrumentos musicais, geralmente existe a ideia errada de que tem de se “secar” a humidade, da sala onde se encontram, quase na sua totalidade. O que é um conceito errado, pois a falta de humidade também provoca danos aos vossos instrumentos. Sem necessidade de tirar um mestrado em Física, há procedimentos simples de manutenção que podem seguir.

A taxa de humidade relativa representa a quantidade de água existente no ar. Se estiver entre 35% e 40%, significa que o ar está seco e, quando acima dos 70%, o ar está húmido. Nestas situações, o ar é prejudicial para a saúde, os equipamentos e os materiais. De um modo geral, se vocês estão bem a guitarra também está. Ou seja, se estão confortáveis com a temperatura ambiente da vossa sala de estar, por exemplo, o vosso instrumento também está. Só para que fique bem claro, por confortáveis, não nos referimos quando o calor vos faz estar em cuecas a beber cerveja gelada, em modo alarve, e a passar as garrafas pela nuca ou embrulhados em mantas e uísque quando está frio.

Nos instrumentos acústicos são mais visíveis os efeitos nocivos da humidade ou da falta dela. Os primeiros sinais a que devem estar atentos são fáceis de detectar, pois vão senti-los ao tocar. Uma percentagem elevada de humidade fará subir a acção do instrumento, aumentando a distância das cordas em relação ao corpo e ao braço. Um percentagem muito reduzida fará o contrário, promovendo o infame ruído do “trastejamento”. Depois surgem os problemas mais graves. Notoriamente, os tampos das guitarras ganham uma certa “barriga” na zona do cavalete/rastilho se, por exemplo, existir humidade em excesso no ar. Ao tocar no braço vão sentir as arestas dos frets a sair do fretboard e arranhar/cortar-vos os dedos. O trastejamento agrava-se e as cordas vão mesmo ficar “surdas”, em certos pontos do braço. O braço vai ficar convexo e, somando os problemas do fretboard, ajustar o truss rod não será suficiente, será necessário “refretar” o instrumento. Em certos casos, o próprio acabamento também pode ficar comprometido, especialmente nos instrumentos cujos vernizes sejam mais finos, para que possa existir mais ressonância.

Há aparelhos específicos, principalmente para instrumentos acústicos, encaixando no buraco de ressonância, para controlar as percentagens de humidade. Mas, se serão uma grande ajuda para o corpo, não serão de muito uso a proteger o braço ou instrumentos eléctricos. Além disso, se tiverem vários instrumentos, poderá ser mais dispendioso combater o problema com várias desses aparelhos. Há certos procedimentos simples a seguir, à vossa consideração, para minimizar os danos da humidade no instrumento e até na vossa saúde!

Um desumidificador vai ser como um Robocop para a humidade do espaço onde guardam os vossos instrumentos.

Um desumidificador vai ser como um Robocop para a humidade do espaço onde guardam os vossos instrumentos.

Medir e Controlar | Um medidor digital de humidade custa cerca de 1o € ou menos e compra-se em qualquer grande superfície comercial ou online. Há até medidores específicos que fazem uma leitura da humidade em materiais e objectos, mas um normal, que meça a humidade relativa do ar na sala é suficiente. Como controlar factores climatéricos é mais difícil que tocar a “Inca Roads”, de Frank Zappa, vão precisar de algo que o faça por vós: um desumidificador. São aparelhos um pouco mais caros, mas não é necessário um de tamanho industrial e é um aparelho útil em casa. Acreditem que faz toda a diferença (em relação à humidade, para tocar Zappa já não vos ajuda). Principalmente se guardam o instrumento na sala de ensaio – uma banda toda “ligada”, com amps, monição, pedais, transformadores e os próprios músicos, irá criar uma grande alteração na temperatura e humidade do espaço. Mesmo a zona onde vivem e as próprias estações do ano, até num país de clima ameno como o nosso, podem criar oscilações significativas. Com estes dois aparelhos podem controlar e manter os valores recomendados de humidade.

Um medidor digital de humidade pode ser adquirido em qualquer grande superfície comercial ou online. A sua operação é bastante simples.

Um medidor digital de humidade pode ser adquirido em qualquer grande superfície comercial ou online. A sua operação é bastante simples.

Valores percentuais recomendados | O máximo de humidade que a sala onde guardam o vosso instrumento deve ter é 55%. Há fabricantes que aconselham os 42% de humidade, para uma temperatura de 24 °C. Há quem diga que se pode ir até aos 60%. É certo que o ar também se quer com alguma humidade mas, pelo seguro, o aconselhável é entre os 45% e os 55%. Estes valores são a referência para que as condições de armazenamento sejam o mais próximo possível das de construção. Assim reduz-se o risco de problemas e a integridade sonora original do instrumento será mantida durante mais tempo.

Gostavam que o vosso braço fosse uma colónio de fungos? A vossa guitarra também não gosta...

Gostavam que o vosso braço fosse uma colónia de fungos, cheio de “verdete”? A vossa guitarra também não gosta…

Limpar | Quando acabam de tocar, limpem o vosso instrumento. A transpiração que deixam nas cordas, no braço e no corpo, os detritos da palheta (se usarem), são agentes que aceleram e agravam a acção da humidade.

guitar case funny

Arrumar | Deixar os instrumentos nos estojos é uma outra forma de prevenção, contudo os próprios estojos também acabam por absorver humidade. E já não é novidade os instrumentos saírem das suas hard cases com as cordas verdes e/ou com os braços e tampos com certos efeitos acima referidos. Logo, convém ter o medidor de humidade digital sempre presente na sala onde têm os instrumentos guardados!

Estes são apenas alguns dos problemas mais comuns que podem existir devido à humidade do ar nas vossas casas, estúdios ou sala de ensaios. Sigam os nossos conselhos e conseguirão controlar uma boa parte desses problemas.

NR: Artigo de Hugo Guerreiro da Hguitars.

EGITANA