Manutenção da Guitarra: Limpeza

Manutenção da Guitarra: Limpeza

Redacção

No seguimento do artigo da humidade, apesar desta ser uma altura um pouco contrária, o controlo deve ser observado na mesma. Com o calor vem ar mais seco, há exposições brutais de temperatura e está na altura de começar a ter cuidados maiores com os vossos instrumentos e com a sua limpeza, pois agora vão suar mais.

Existem variadíssimas marcas e gamas de produtos de limpeza para os vossos instrumentos, cada um para o seu fim/propósito. Como tal temos de ter em atenção as características dos instrumentos que temos.

Comecemos pelos corpos: se for um instrumento que é tocado com uma certa regularidade, na limpeza devem  utilizar um Gloss – há uns que ajudam na limpeza, a tirar riscos, e outros que se adaptam mais a limpeza que a polimento. Decerto muitos pensaram, «já comprei isto, a guitarra fica a brilhar e está bom». Verdade, mas temos de adquirir o produto para o efeito pretendido, pois há aqueles entre vocês que são mais exigentes ou que não gostam de ver “dedadas” ou um outro risco.

O pano com que se aplicam estes produtos também é importante! De resto, há marcas que vendem panos feitos especificamente para estes propósitos. Há quem use o pano de flanela da mãe para limpar a guitarra e não há mal nenhum, se o mesmo estiver lavado de qualquer tipo de agente de limpeza de móveis, e também há quem use o normal papel de cozinha. Se o instrumento esteve fechado na caixa durante imensos meses (ou, o Grande Bode nos acuda, durante anos) e estiver com um nível de sujidade tal que nem com estes produtos a consigam remover, não desesperem pois há solução para o mesmo.

PELO AMOR DO BAGAÇO, NÃO TENTEM ISTO EM CASA!

Para os mais cépticos, existem duas modalidades para se remover este nível de sujidade. O primeiro é um pano humedecido em água morna ou então o papel de cozinha com líquido de isqueiros, daquela marca americana usados na Segunda Grande Guerra Mundial – conhecidos por ZIPPO. E de preferência o pano humedecido e depois o líquido de isqueiro. Ter em atenção que é com este mesmo líquido que se limpam as guitarras mais antigas pois, devido ao seu acabamento, não deixa o mesmo com manchas que se tornam irreversíveis. E se procurarem um pouco pelo Google (que nos faz a todos um pouco mais sábios), irão decerto encontrar algumas centenas de sites a falar exactamente do mesmo.

Braços e escalas. Neste caso, os ditos produtos variam um pouco menos, mas ainda assim há cuidados a ter em consideração. Escalas de rosewood ou ébano? Pois bem, óleo de limão! Nunca ouviram falar em óleo de limão?! Mas existe! Existem várias marcas a venderem este produto e, não, não são todas de igual qualidade. Mas, o importante é mesmo conseguirem adquirir este produto e aplicá-lo! Antes da aplicação, se necessário, é passar uma palha-de-aço 0000 (4 zeros, se preferirem) fazendo pequenos círculos. Isto se, realmente, houver necessidade ou se o fretboard demonstrar uma quantidade significativa de sujidade – que provém de não se limpar os instrumentos após o seu uso! Há quem o faça com lâminas, mas acreditem que com este método é muito fácil provocar um belíssimo corte e estragar o fretboard. Portanto deixem-no para quem sabe fazê-lo.

Frasco de óleo de limão, para limpeza de escalas. NR: Não recomendamos qualquer marca, esta imagem serve apenas como referência.

Frasco de óleo de limão, para limpeza de escalas. NR: Não recomendamos qualquer marca, esta imagem serve apenas como referência.

A aplicação do mesmo deve de ser feita quando o instrumento está sem as cordas! Aplicam uma camada generosa e espalhem-na com um pano. Mais uma vez, pode ser a vulgar flanela. E com o mesmo pano removam o excesso. Dica útil e económica – tenham em conta que se guardarem este pano dentro dum saco, com o excesso de óleo que tem, vão chegar a uma altura na qual já não vai ser preciso aplicar o dito óleo, pois o dito pano já estará ensopado. Após a remoção do excesso, podem passar um papel de cozinha nos frets, afinal estes também acabam por ficar um pouco “baços”, mas este passo é opcional.

Nas escalas em maple (as envernizadas), como temos, por exemplo, nas Strats e Tele, para vossa surpresa, ficam limpas se passarem um Gloss (como o que usaram no corpo, descrito acima). A aplicação do óleo de limão, aqui, é opcional. No caso de escalas com acabamento a óleo a história é muito diferente. Aqui o conselho é mesmo não facilitar e levar-se o instrumento a um luthier mais próximo, precisamente para que o mesmo possa fazer o dito acabamento a óleo. Estas escalas requerem um óleo especial, que não está disponível nas lojas!

Nota: Para cada produto, um pano!

EGITANA