Mark Drum YES

Timóteo Azevedo

Depois das apresentações na Musikmesse de 2011 e na exposição de inverno do NAMM 2012, a Mark Drum anunciou o início da distribuição mundial da bateria electrónica YES. O instrumento de oito peças foi desenvolvido durante dois anos, e é descrito como a primeira bateria electrónica profissional com um “coração acústico”.

A YES é composta por pads de bombo, tarola, três timbalões, prato de acento, prato de condução e pratos de choque. Os pads de tarola e timbalões têm uma malha sintética a substituir a pele, e são apertadas aos cascos de forma semelhante a uma bateria acústica. Os próprios suportes da malha são reminiscentes do formato dos cascos acústicos, com os aros dos pads de tarola e timbalões a serem equipados com aros prensados. O pad do bombo está colocado numa posição horizontal, e a YES traz incluído um batente invertido mas não o pedal de bombo. O suporte para os pratos de choque também não está incluído.

Os pads apresentam um sistema de triggering chamado “Smart Pad“, em que os sinais são processados directamente no pad e não apenas pelo módulo da bateria electrónica. A tecnologia “Hot Spot Removal” presente nos pads de tarola e timbalões foi criada com o objectivo de manter o balanço sonoro entre as diferentes peças. O pad do prato de condução apresenta um sistema de disparo triplo, com capacidade de abafamento. Os pads de prato de choque vêm equipados com 255 camadas diferentes de sensibilidade com sons de alta resolução, de forma a reproduzir fielmente as nuances do instrumento.

No módulo da YES encontramos as 24 emulações de kits profissionais, aos quais podemos adicionar ou alterar efeitos digitais como compressão, reverberação e equalização. Os sons foram construídos a partir de mais de 10.000 samples de alta resolução, de modo a proporcionar até 512 níveis de dinâmica para cada pad e apresentando a inclusão de ressonâncias por simpatia. A captura das samples passou por processos como gravar o ataque de cada mão, de forma a tornar execuções como rufos de tarola mais próximos da realidade acústica. A YES também apresenta a opção de Player Immersion, que dá ao baterista a oportunidade de ouvir os sons gravados a partir da perspectiva do músico sentado atrás da bateria. As emulações cobrem sonoridades que vão desde o som natural de uma bateria acústica a estilo como rock, funk, hip hop, metal ou jazz. Para além dos presets de kits e efeitos, podemos criar os nossos próprios kits e efeitos, misturando as 205 vozes de instrumento com as opções de compressão, reverberação e equalização. A informação é armazenada no cartão de memória SD com 4GB.

A ligação dos pads ao módulo é feita através de conexões RJ11, com os pads a ligarem-se à estrutura em alumínio que alberga todas as conexões. A ligação ao módulo a ser feita por um único cabo RJ11. Para além das 8 peças standard, a YES apresenta a possibilidade de acrescentar mais 4 suplementares. A bateria electrónica também vem equipada com entrada e saída MIDI para ser usada como instrumento MIDI, uma porta USB para ligar ao computador e saída para auscultadores e equipamentos externos. A YES inclui também uma função de metrónomo, tap tempo e uma secção de loops. Pesa um total de 16 kg.

Quando a apresentou pela primeira vez, a Mark Drums anunciou que iria disponibilizar actualizações frequentes ao firmware da YES, assim como a disponibilização de novos presets. A mais recente adição são dois novos kits com a assinatura do baterista de jazz Danny Gottlieb, músico que já tocou com artistas como Pat Metheny e a Mahavishnu Orchestra. Os presets foram criados nos estúdiod Officine Meccaniche em Milão [Itália], a partir dos tambores e pratos preferidos de Danny. A captura ficou a cargo do engenheiro Sabino Cannone, sob a supervisão do fundador e gestor executivo da Mark Drum, Marco De Virgiliis.

“Sempre gostei de baterias electrónicas”, declarou Danny Gottlieb. “Toco com elas em configurações diferentes desde o início dos anos de 1980. Mas até agora, não tinhas uma bateria electrónica que realmente simulasse o som de uma bateria acústica. E agora temos isso, com a Mark Drum… Utiliza samples de alta-qualidade muito bons. É o princípio, para mim, de uma nova era em termos de criatividade. É uma oportunidade de usar o instrumento de forma mais criativa. Pode ser utilizado para MIDI, mas o fundamental são as samples. Acho que é uma nova fronteira, e acho que este instrumento em particular vai abrir caminho para os bateristas conseguirem ter novas ideias, e tocarem música influenciada pelo jazz com uma abordagem muito contemporânea e moderna.”

Os novos kits de assinatura de Danny Gottlieb, estão disponíveis para download gratuito, e a Mark Drum promete novos lançamentos para breve.

EGITANA