Moog Celebra Centenário Do Theremin Com Edição Limitada Do Claravox

Moog Celebra Centenário Do Theremin Com Edição Limitada Do Claravox

Redacção

O theremin, um dos instrumentos mais estranhos da história da música, faz 100 anos. Para assinalar a data, a Moog anunciou o lançamento de uma edição limitada do incrível Claravox.

Os sons do theremin, outrora o instrumento do futuro, têm vindo a formigar as nossas espinhas há 100 anos. Em jeito de comemoração, a Moog apresenta a sua nova edição limitada do centenário Claravox.

A Moog anuncia que o Claravox – que custa cerca de 1500€ – oferece «o mais alto controlo de qualidade e som disponível num theremin».

Com dois modos, tradicional e moderno, este instrumento permite aos músicos alternar entre os osciladores heterodinâmicos analógicos e digitais. Tem o mesmo circuito de formação de ondas que o Etherwave Pro Theremin da Moog e entradas e saídas DIN MIDI, USB, e CV para ligação a DAWs e utilização como controlador. É também adorável só de olhar, com um bonito invólucro de nogueira, antenas douradas e muitos botões para mexer.

Para muitos músicos, e não só , os instrumentos electrónicos são alguns dos elementos mais fascinantes da história da música e entrar hoje no site Moog é um verdadeiro consolo: há uma linha do tempo do álbum de recortes da história do theremin, fotos e vídeos antigos dos pioneiros do theremin e ainda uma compilação áudio com gravações de Rockmore, Bob Moog e Leon Theremin.

Embora as bandas sonoras dos filmes de terror ou ficção científica possam ser a casa mais reconhecível dos sons sinistros do theremin, o instrumento tem o alcance (literalmente) de interpretações incrivelmente comoventes de composições clássicas. Para demonstrar o Claravox, a Moog produziu uma interpretação de “Clair de Lune” em theremin e piano, um dueto em homenagem a Clara Rockmore e à sua irmã pianista, que podes conferir no vídeo mais abaixo.

O theremin é o instrumento que não se toca, aquele que inspirou os sintetizadores de Bob Moog. De certa forma, escreve o compositor Albert Glinsky, «é o génio do que Leon Theremin criou há 100 anos: um interface que nunca envelhece».

EGITANA