Neurosis Rig Rundown

Neurosis Rig Rundown

Nero

A parede de amplificação e efeitos dos Neurosis. O rigs que os músicos vão usar no Amplifest 2016.

Os Neurosis são «o exemplo de uma banda que descobriu como quer soar. Quando chegam a estúdio, basicamente, executam esse plano. Possuem uma vasta colecção de equipamento que tornaram à prova de erros e apto para a estrada, para que onde quer que vão o montem e soe exactamente como querem». O mega guru Steve Albini descreve assim o carácter sonoro dos californianos, erguido através de minúcia, acrescenta: «Possuem um conjunto de bateria bastante específico, setup de teclados e sampler bastante específico e amps e unidades de efeitos bastante específicos, com os circuitos ligados de forma “particular”. Quer dizer, a guitarra de Steve Von Till não tem sequer um comutador de pickup, porque tem o circuito conjugado com a sua unidade de switch, que usa para alternar entre os seus diferentes sons. É um sistema integrado, portanto. Não podes ligar a sua guitarra a um amplificador de guitarra normal, tem que ser no seu setup».

Em 2001, Albini referia-se ao setup que, tendo gravado “A Sun That Never Sets”, evoluiu até ser alcunhado por “Chain Of Death”, já depois das gravações dos seguintes “The Eye Of Every Storm” e “Given To The Rising”. A guitarra Warmoth (tipo Strat) usava pickups Seymour Duncan Distortion (ponte) e Bartolini (braço), sendo ligada a um MXR Phaser e um Blue Box, para passar por um Moogerfooger MF-101, a filtrar as frequências graves e um MF-102 Ring Modulator. Depois surge um Uni-Vibe e um POG e o pedal wah-wah, antes do sinal seguir para um ProCo Rat e um EHX Bass Micro Synthesizer.

steve von till

A pedalboard terá continuado a evoluir (com a troca ou o acréscimo de algumas unidades) até “Honor Found In Decays” e ao recente “Fires Within Fires”, que a banda vem promover ao Amplifest 2016, mas a amplificação permanece igual. Steve Von Till usa a conjugação de um Fender Twind Reverb (a reedição de 2005) com um poderoso Mesa/Boogie Mark IV. Esse é o rig que será usado no Hard Club, segundo a informação da Amplificasom, promotora do festival, para amplificar a Warmoth Strat preta, de ponte fixa (na foto).

scott kelly

Scott Kelly usa uma Gibson Les Paul Studio, de 1993, cuja única modificação é um Seymour Duncan Distortion no circuito. É Steve von Till que, falando de “Given To The Rising”, descrevia, em 2007, à Guitar Player, a forma como os guitarristas criam o seu colossal som conjunto: «Experimentamos harmonias, dissoâncias, feedback e sujidade, andando para trás e para diante para perceber quanta tensão conseguimos criar. O Scott mantém uma afinação drop-D e, recorrentemente, baixa o Mi mais grave para Lá. Eu uso DADGAD, excepto nas canções com a tónica em Lá, onde baixo o Ré mais grave para um Lá e tenho uma oitava de Lá com as duas cordas mais graves». Os músicos usam conjuntos de cordas personalizados, com a espessura entre .011 e .058.

mesa boogie mark iv

mesa boogie dual rectifier

Steve Von Till e Scott Kelly usarão os modelos Mark IV e Dual Rectifier da Mesa Boogie, além de combos Twin Reverb.

Steve Von Till e Scott Kelly usarão os modelos Mark IV e Dual Rectifier da Mesa Boogie, além de combos Twin Reverb.

Scott Kelly, tipicamente, usa menos efeitos a processar o seu som. Além de um delay leve, usado constantemente, o guitarrista usa unidades MXR de Flanger, Blue Box também e Phaser. O rig é que, sendo simples, tem sofrido mais alterações, se em “Given To The Rising” Kelly usava um clássico JCM 800, com colunas custom EarCandy, a Marshall deu lugar à Orange e ao poderoso Thunderverb 200, com colunas PPC412HP8 – monstros com 4 altifalantes Celestion G12K100 de 100 watts. Todavia, no Hardclub, o rig será similar ao do colega: um Fender Twin Reverb e um Mesa/Boogie, no seu caso uma unidade Dual Rectifier.

dave edwardson

A ensemble de cordas completa-se com Dave Edwardson. O baixista usa um Ibanez Roadstar II, mas o braço é de um SR885. A afinação segue o drop-D das guitarras. A amplificação que o músico usa, quase invariavelmente, estará a acompanhá-lo no Amplifest – uma cabeça Ampeg SVT com o “frigorífico” 8×10. O processamento do seu som é algo complexo e muda constantemente. Unidades da Boss como o RRV-10, DD-6 Digital Delay, CH-2 Super Chorus e CE-2 Chorus, o MXR Bass Fuzz Classic, além dos Fuzzrocious Grey Stache e Rat Tail. A avaliar por fotografias disponíveis da sua pedaboard em 2012, o baixista usa ainda unidades modificadas de Phaser e Compressor, tal como loopers.