Orange apresenta novidades na NAMM’12

Nero

É um dos conceitos mais em voga no mercado actual de amplificação – a redução de tamanho e peso e consequente custo de um amplificador. A Orange apresentou dois modelos dentro deste conceito e reintroduziu um modelo clássico na Winter NAMM’12.

A Orange iniciou a sua caminhada nessa vertente com o aclamado Tiny Terror e agora atinge novo extremo com o Micro Terror. O mais pequeno modelo da série Terror possui uma única válvula 12AX7 de pré-amp com um output de 20 watts RMS solid-state. Alimentado por um transformador de 15 volts inclui input auxiliar para a interacção com fontes sonoras e tem saídas de coluna compatíveis a 4 ohm. Contudo, em parceria com o Micro Terror foi lançada a coluna PPC108 – com altifalantes Orange de 8″.

Depois de em 2008, ao celebrar o 40º aniversário a Orange ter lançado o amp OR50, a procura e pedidos pelo modelo levou a marca a reeditar novamente o amplificador baseado num dos seus primeiros modelos de 1972 – com o tradicional canal único da marca (com 3 parâmetros de equalização) controlado por potenciómetro de Gain com três estágios. Uma das particularidades deste modelo é o controlo HF, que controla a presença do som e serve também de boost, e o footswitch de master volume que é exposto por 50 watts fornecidos pelo calor de duas clássicas válvulas EL34, além das 3 12AX7 de pré. O OR50 mostra ainda a sua versatilidade com FX Loop. A completar a reedição deste modelo surge a versão de 15watts.

Outro dos destaques é o modelo de assinatura de Jim Root (Slipknot/Stone Sour), o Signature #4 Jim Root Terror Head, com a coluna correspondente. O JM Terror possui o Dirty Channel baseado na distorção que o músico extrai duma cabeça Rockerverb 100, aqui potenciado por 15 watts (ou permutado para 7 watts). FX Loop valvulado por uma 12AT7, uma saída de coluna em 16 ohm e duas em 8 ohm.

 

EGITANA