Os Amps de Angus Young

Os Amps de Angus Young

Nero

O rig habitual do guitarrista, fã do Marshall Sound. A parede de colunas de Lisboa e um misterioso efeito que torna tão distinto o seu som.

A própria Marshall refere, no seu site, os amps que líder dos AC/DC usa frequentemente. Angus diz que o faz com o objectivo de “copiar” o zénite do seu próprio som, que o guitarrista considera estar captado no álbum “Back In Black”. Apesar de haver alguma discussão e dúvidas, nos fóruns da marca britânica, actualmente parece ser consensual que o “Diabrete Escocês” voltou a usar uma unidade JTM45, tal como fazia nos primeiros anos dos AC/DC. Há uma declaração do próprio Angus que parece confirmar a ideia e que a Marshall cita: «Eventualmente, cheguei à conclusão que uma stack Marshall de 100 watts era a melhor escolha».

Entre várias entrevistas, a informação disponibilizada oficiosamente pela banda e a informação fornecida pela Marshall, o JTM45 faz parte do rig do músico, para trabalhar os timbres pré-“Back In Black”, mas há ainda outros dois modelos que Angus usa, um Super Lead na maior parte do tempo e um combo 1974 para os solos.

Eventualmente, cheguei à conclusão que uma stack Marshall de 100 watts era a melhor escolha.

MR1960BX

As colunas são simples de descodificar. Angus Young usa um paredão de Marshall 1960BX. As colunas de 100 watts carregam altifalantes Celestion G12M-25 Greenback, cujas primeiras versões são, como o nome indica, da década de 60. Destacam-se por ter um acréscimo de ataque nos médios. Com um headroom atenuado, o som surge de forma escalada e a saturação, em volumes extremos, ganha muita definição de médios-agudos, sem perder algo essencial num som de guitarra rocker – calor!

 

JTM45_2245

MARSHALL JTM45 | O modelo 2245 é o primeiro amp da Marshall (de 1962). É um amp preambular para os Plexi, com 30 watts e dois canais (com inputs 2×2), com os controladores clássicos de Presence, Bass, Middle, Treble, Volume 1 e Volume 2. Possui três válvulas de potência (1 x ECC83, 2 x 5881) e duas de pré (ECC83). Destaca-se pelo sistema GZ34 de rectificação, algo reproduzido nas réplicas modernas dos amps, e pela forma como o rectificador actua entre as válvuls, criando oscilações harmónicas subtilmente omnipresentes ou de uma forma simples: o Marshall Sound.

1959SLP_0384

MARSHALL 1959 SLP | O “Plexi” foi produzido até aos anos 80, altura em que surgiu o JCM-800. O seu nome deriva do painel Plexigas. Em ’69, a Marshall substituiu esse painel por um em alumínio dourado. 100 watts de potência, dois canais (com inputs 2×2), e os controladores de Presence, Bass, Middle, Treble, Volume 1 e Volume 2. As válvulas de pré são as ECC83 (duas) e as na secção de potência temos uma ECC83 e quatro EL34. No fundo, o “Plexi” tem base no JTM45, mas elevou o som Marshall a uma escala monstruosa de volume.

1974X

MARSHALL 1974 | O combo dual channel de 18 watts, produzido entre ’66 e ’68 (agora reeditado na versão 1974X), com altifalantes T1221/67 Greenback. O circuito é soldado à mão e possui tremolo valvulado. Os controlos de cada um dos canais são o mais básico possível: cada um possui apenas knobs de Volume e Tone e no canal dois (de tremolo) há o acréscimo de Speed e Sensivity. Devido a uma potência reduzida, a distorção emerge muito rapidamente em relação a amps de alta potência – tornando o amp ideal para oferecer calor ao som de guitarra em estúdio e para solos, permitindo muito controlo ao vivo. A razão de estar no rig de Angus.

Schaffer_Vega_tower

Mas o grande mistério do timbre de assinatura de Angus Young revolve em torno de um sistemawireless. O músico nunca foi fã de efeitos e usa apenas um sistema para lá de raro: o Shaffer-Vega Diversity System. Este sistema teve apenas 1000 unidades (aprox.) construídas. E Angus usa-o até em estúdio! Na monitorização do sistema, nos dois extremos do sinal, existe um boost que pode ser activado por switch. O boost surgia bastante limpo, aumentando ainda mais a distorção dos amps e actuando também como um expander, permitindo ao guitarrista controlar dinâmicas características de compressão no recorte da guitarra.

Há um site sobre a recriação desta raridade que importa visitar, se quiserem estudar o Shaffer-Vega mais a fundo.

Fontes | Como o artigo indica, está baseado na informação oficial da Marshall. Há indicações que suportam os Super Leads no projecto Shaffer-Vegas. Nos solos, das duas umas, ou o Angus usa um speaker box isolado, a enviar o sinal directamente para o PA, ou uma unidade combo/ou cabeço de 50w, como é referido na biografia de 2015, “AC/DC FAQ”, de Susan Masino, e como o Malcolm chegou a descrever em entrevista. Como, repito, o artigo baseia-se na info da Marshall e na recente biografia (já da era Rock Or Bust) está citado o 1974, como indicado no site da marca. Além, claro, dos vídeos de behind the scenes e de ensaios disponíveis no YouTube, onde não é possível confirmar os famosos Wizard.