Os Segredos da Nova Gibson Adam Jones 1979 Les Paul Custom

Os Segredos da Nova Gibson Adam Jones 1979 Les Paul Custom

Redacção

O guitarrista dos Tool sentou-se com Cesar Gueikian, da Gibson, para falar sobre os segredos da sua guitarra de assinatura, a Adam Jones 1979 Les Paul Custom.

Guitarristas lendários como Jimmy Page, Joe Perry, Billy Gibbons ou Slash têm feito as suas carreiras empunhando modelos específicos da Les Paul ao longo dos anos. Mas é seguro dizer que quando se trata do universo do hard rock ou do metal modernos há poucos artistas tão icónicos e imediatamente identificáveis como Adam Jones (Tool) e a sua inseparável Custom Silverburst. Sim, aquele modelo que, estreado no ano passado, foi também notícia devido a um inusitado assalto.

A nova edição de 1979 da Adam Jones Les Paul Custom Antique Silverburst é uma recriação impressionante e exigente da Custom Shop número um de Jones – a 1979 Silverburst que temos ouvido em cada álbum ou concerto dos Tool -, desde a madeira até ao acabamento, passando pelos pickups. «É um clone absoluto», diz Gueikian sobre a guitarra, e isso estende-se a todos os detalhes, do desgaste na versão envelhecida, até ao braço de maple ou ao peso do corpo de mogno.

Sobre este último factor, Adam Jones afirma mesmo: «Eu disse à Gibson: ‘A madeira era diferente naquela altura…’ E eles disseram: ‘Vamos igualá-la’. E a guitarra é pesada, meu». Escusado será dizer que esta não é uma típica Les Paul – e vai muito mais longe do que o acabamento apelativo.

A certa altura, no início da carreira dos Tool, Adam Jones substituiu o humbucker da ponte, um genérico Les Paul, por um Seymour Duncan DDJ de alto rendimento. Mas, para além da simples instalação de um DDJ na sua nova Silverburst, a Gibson mandou fazê-lo à medida pela mesma funcionária da Seymour Duncan, Maricela “MJ” Juarez. «Chamámos Seymour Duncan e dissemos: ‘Queremos que a MJ ligue os DDJs tal como fez com o stock original em 1980, que é o que Adam tem na sua guitarra», revela Gueikian. Além disso, continua, «Adam trocou o potenciómetro Gibson original por aquele pickup com um potenciómetro DiMarzio. Assim, encontrámos exactamente o mesmo potenciómetro DiMarzio e pusemo-lo em cada Silverburst».

O pickup da nova Silverburst, entretanto, é um Gibson Custombucker – e, tal como na guitarra de Jones, é montado ao contrário. Jones sacou a ideia de virar o pickup através de um amigo, o frontman dos Melvins Buzz Osborne (há alguma coisa que estes gajos não inspirem?). «Dá-lhe uma polaridade diferente e ajuda realmente com o som», diz o guitarrista dos Tool.

Outras características da nova Silverburst incluem um tampo de maple de três peças, uma escala de 22 trastes em ébano com incrustações em madrepérola, afinadores Schaller M6, uma ponte Tune-O-Matic e uma tailpiece Stop Bar. E depois há, claro, aquele acabamento distinto. Segundo Jones, a cor original tinha «elementos metálicos, que viraram amarelo com o tempo e deram à guitarra uma espécie de tonalidade esverdeada». Corresponder a essa tonalidade foi um esforço meticuloso, envolvendo processos como a engenharia inversa e a decomposição. «A forma como a cor envelhece é extremamente única e cada acabamento Silverburst parece diferente», refere Gueikian. Portanto, diz, «foi um projecto muito fixe».

A guitarra está disponível em duas versões limitadas – Aged & Signed, produzida numa série de apenas 79 exemplares, e o lote VOS (Vintage Original Spec) de 179 unidades. Além disso, cada um destes canhões apresenta uma réplica do headstock espelhado de Jones (comprado numa paragem de camiões em digressão e montado, explica, «para apanhar as luzes quando estamos no palco»), bem como um grafismo personalizado na parte de trás do headstock. Para completar o impressionante pacote, a guitarra vem num estojo personalizado com o logótipo “Adam Jones 1979”, desenhado pela artista Joyce Su, que também trabalha com os Tool, e com acabamento, naturalmente, em Silverburst. Toda a embalagem vai para além de um mero modelo de assinatura. Mas, como diz Gueikian, «Adam vai além de ser apenas um guitarrista. Não sei como descrever o que ele faz – talvez seja mais como um arquitecto sónico».

Tudo sobre a Gibson Adam Jones 1979 Les Paul Custom nos nossos artigos, aqui e aqui.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA