Prótese com Google TensorFlow Permite que Baterista Amputado Volte a Tocar

Prótese com Google TensorFlow Permite que Baterista Amputado Volte a Tocar

Redacção

Nova prótese alimentada pelo TensorFlow da Google permite que o músico Jason Barnes, que perdeu a parte inferior do seu braço direito na sequência de um acidente de trabalho em 2012, volte a tocar bateria.

Quando o baterista Jason Barnes teve de se submeter à amputação da parte inferior do seu braço direito após um acidente de trabalho em 2012, teve a certeza de que isso lhe poria um fim à capacidade de tocar bateria. Mas, agora, a Google lançou um vídeo – que podes ver no final do artigo – em que demonstra o poder da sua tecnologia alimentando uma prótese que permite a Jason tocar novamente.

Jason tem vindo a trabalhar com Gil Weinberg, fundador do Centro para a Tecnologia Musical da Geórgia desde 2013, para desenvolver a prótese, que é operada através da electromiografia (EMG). Os movimentos e gestos da parte residual do membro de Jason geram sinais eléctricos, que são convertidos em fluxos de dados para que o software do TensorFlow aprenda e processe.

«Posso flexionar o meu músculo e apertar o punho, e posso estender o músculo para soltar o punho, tal como faria com uma mão normal. Consigo realmente sentir o feedback do braço, e sinto-o tão perto de uma mão real sem que seja realmente uma mão real», explica o baterista. O resultado é que a prótese é capaz de reagir aos movimentos desejados por Jason com uma latência mínima, produzindo algum controlo extremamente natural.

«Tive a sorte de fazer parte deste processo. No passado, sempre houve uma curva de aprendizagem, tendo eu de me adaptar a um novo dispositivo. Mas, assim, foi o dispositivo que se ajustou a mim», afirma ainda Jason, cuja “viagem” podes seguir na sua conta de Instagram.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA