Rhodes Regressa com a Promessa de Novos Modelos

Rhodes Regressa com a Promessa de Novos Modelos

Redacção

A Rhodes, icónica marca de pianos eléctricos, celebrizada pela Fender e com passagens polémicas na CBS e Roland, está de volta com novos proprietários e a promessa de novos modelos.

O nome Rhodes é sinónimo de piano eléctrico de alta qualidade e uma marca indelével na definição do som de estilos como a soul, o jazz, o funk, o rock, a pop e uma imensa variedade de géneros de música electrónica durante mais de meio século.

Embora o som do piano Rhodes permaneça tão popular como sempre – o mercado não está isento de emulações de hardware e software -, nos últimos anos, a própria marca tem estado algo afastada da ribalta. No entanto, isso poderá alterar-se. A Rhodes está agora sob nova gestão, e parece que o fabrico de novos instrumentos é o caminho que a empresa pretende seguir no futuro.

Com sede no Reino Unido, o recém-formado Rhodes Music Group Ltd é presidido pelo chefe da Loopmasters Matt Pelling, que, em declarações à Musicradar, afirma: «A nossa missão é continuar o desenvolvimento de instrumentos musicais da mais alta qualidade por parte do fundador Harold Rhodes. A marca Rhodes existe devido ao som inconfundível dos nossos teclados e à nossa incrivelmente leal base de fãs. O amor pelos pianos eléctricos Rhodes criou extensas comunidades online de apaixonados proprietários e entusiastas, que celebramos».

Consciente do passado da marca, Matt Pelling tem os olhos postos no futuro: «A dedicação ao progresso alimenta a nossa paixão pelo desempenho e produção musical, juntamente com o nosso desejo de ver o legado dos teclados Rhodes continuar no futuro. Manter-nos-emos fiéis à herança da Rhodes, ao mesmo tempo que protegemos a marca para as novas gerações de artistas, com um conjunto evolutivo de produtos musicais maravilhosamente concebidos, feitos com amor e inspiradores».

Ainda não foram feitos anúncios de produtos específicos, mas os interessados podem fazer o pré-registo no site da Rhodes para receberem actualizações de notícias e continuar atentos ao nosso próprio site.

Enfrentamos tempos de incerteza e a imprensa não é excepção. Ainda mais a imprensa musical que, como tantos outros, vê o seu sector sofrer com a paralisação imposta pelas medidas de combate à pandemia. Uns são filhos e outros enteados. A AS não vai ter direito a um tostão dos infames 15 milhões de publicidade institucional. Também não nos sentimos confortáveis em pedir doações a quem nos lê. A forma de nos ajudarem é considerarem desbloquear os inibidores de publicidade no nosso website e, se gostam dos nossos conteúdos, comprarem um dos nossos exemplares impressos, através da nossa LOJA.
EGITANA