Roland INTEGRA-7 SuperNATURAL Sound Module

Timóteo Azevedo

A Roland anunciou o lançamento de um novo módulo de sintetização sonoro, o INTEGRA-7 SuperNATURAL Sound Module. O novo equipamento, em formato de módulo de rack, pretende ser uma solução transversal para a produção musical, apresentando 6000 sons diferentes uma nova função de espacialização a 360°.

O INTEGRA-7 reúne as melhores colecções sonoras da Roland que equipam os teclados e baterias electrónicas da marca, num módulo dividido em 16 partes. O novo módulo inclui todos os presets do XV-5080. Para além dos sons mais recentes, sintetizador e motor sonoro SuperNATURAL, estão incluídos no módulo as 12 bibliotecas sonoras de expansão da SRX Series. Os sons foram construídos utilizando a tecnologia Behaviour Modeling da própria Roland, que proporciona não só uma emulação do som dos instrumentos acústicos mas também a reprodução dos detalhes de articulação performativa, do comportamento que têm quando são tocados.

Cada uma das 16 partes tem secções dedicadas de efeitos e equalização, a que se juntam compressores e equalizações dedicadas para percussão e parâmetros de ambiência para os kits de bateria SuperNATURAL. Estes compressores e equalizações dedicados podem ser utilizados simultaneamente até um máximo de 6. Apresenta também quatro slots virtuais onde podem ser carregadas as diferentes bibliotecas da SRX Series, possibilitando um acesso fácil aos sons que procuramos. A inclusão de secções de efeitos e equalização para cada parte destina-se a aliviar a carga sobre o CPU que se verificada quando todas as partes tinham de passar através de uma única secção, afectando a performance dos equipamentos.

A nível de sons, o INTEGRA-7 apresenta um total de 6000 divididos em opções como Grand Piano, a emulação de um piano de cauda com diferenciação entre toque suave; Electric Piano, onde encontramos recriações de modelos de referência como ’68 Reed, ’73 Stage, ’76 Tine, ’78 Pure e ’81 Tine, com efeitos dedicados e um novo efeito de phaser; Guitar, onde podemos opções como dedilhação de acordes, palhetada, guitarras com cordas de aço, guitarras com cordas de nylon, guitarras de 12 cordas, guitarras de flamenco, ukele, bandolim, vários modelos de guitarra eléctrica (como uma Strat com single-coils) e emulações de amplificadores como o Roland JC-120 Jazz Chorus, entre outros; Strings, emulação de cordas de orquestra com técnicas como legato, portamento, pizzicato, staccato e tremolo para instrumentos como o violino, a viola, o violoncelo e o contrabaixo; Brass, com emulações de metais e que inclui opções como a técnica de sobre soprar o saxofone, os bends de tom da trompa, staccato e outras; e Ethnic Instruments, com sons de instrumentos tradicionais como a flauta shakuhachi [Japão] ou os instrumentos de cordas ehru [China] e sitar [Índia] e o lamelofone kalimba [África] .  

Para além das emulações de instrumentos acústicos, o INTEGRA-7 vem equipado com tons clássicos de sintetizador característicos das décadas de 1980 e 1990, com filtros e outros parâmetros livremente editáveis. O motor de percussão é o que encontramos nas baterias electrónicas Roland V-Drums, sendo possível controlar em tempo a velocidade e expressividade de passagens como rufares de tarola e pratos ou enchimentos com timbalões. O módulo ainda vem equipado com uma grande variedade de efeitos sonoros como passos, cantares de pássaros, o fluir de um rio ou o bater com uma porta. Alguns destes efeitos são controláveis em tempo real, como é o caso da quantidade e volume de aplausos de uma audiência virtual ou os sons da rebentação das ondas do mar, da queda da chuva ou do vento.

O INTEGRA-7 apresenta uma novidade a nível de desenho espacial do som. A função Motional Surround, derivada da tecnologia Roland Sound Scape, permite controlar não só as panorâmicas para a esquerda e direita, mas também definir a profundidade do som e pontos de origem atrás do ouvinte. Esta função é controlada através de um interface gráfico, onde podes visualizar a posição da origem do som tanto no eixo esquerda-direita como frente-trás e a distância em relação ao ouvinte. Esta função pode ser aplicada a áudio externo, ligando um reprodutor de áudio ou instrumento às entradas do INTEGRA-7. Os parâmetros podem ser ajustados em tempo real por MIDI, assim como através de um plug-in VSTi para softwares de edição de áudio e uma aplicação dedicada para o iPad. O Motional Surround suporta tanto sistemas estéreo com dois canais como 5.1 surround para 5 altifalantes e um subwoofer.

Para além do controlo do Motional Surround, a aplicação para o iPad também permite controlar os parâmetros do sintetizador, a mistura das partes e carregar bibliotecas SRX para os slots virtuais.

No painel da frente do INTEGRA-7 encontramos os vários botões e potenciómetros de controlo de parâmetros, assim como duas entradas jack 6,35 mm, uma saída para auscultadores e uma porta USB para uma memória flash ou um adaptador wireless WNA1100RL para permitir a comunicação sem fios entre a unidade e o iPad. No painel traseiro encontramos 8 saídas TRS jack 6,35 mm para os canais individuais para sistemas estéreo ou 5.1 surround, duas saídas XLR para o canal esquerdo e direito da mistura, uma saída digital coaxial S/P DIF, duas entradas jack 6,35 mm e as conexões MIDI.

O INTEGRA-7 tem lançamento anunciado para Setembro, e faz parte de um conjunto de novos produtos que a Roland se prepara para colocar no mercado.

EGITANA