Royal Blood: os Amps de Mike Kerr

Royal Blood: os Amps de Mike Kerr

Nero

A Fender perfaz a totalidade da parede de amplificação de Mike Kerr, o baixista/vocalista dos Royal Blood, Mike Kerr, que  apresenta os seus amps em vídeo.

O baixista utiliza duas cabeças Super Bassman, bestas de 300 watts, com 2 válvulas 12AX7 de pré-amp e um power amp com uma 12AX7, uma 12AT7 e seis 6550. O canal Vintage possui o som cheio e quente de um stack passivo e o canal Overdrive possui um som mais agressivo e dentro dos padrões modernos, de stacks activos. No painel traseiro, o sistema Fender Automatic Bias monitoriza constantemente a performance das válvulas e alerta para a necessidade de troca ou manutenção. O switch de Speaker Output pode comutar a saída de coluna para Mute e usar o pré-amp através de saída XLR, a impedância pode ser 8, 4 ou 2 ohms.

Mike Kerr usa as cabeças através de colunas Bassman 810 Neo. A completar o rig, surgem dois Super-Sonic 22. O par de amps de guitarra tem uma resposta agressiva de high-gain e um som bem orgânico, herdado do Deluxe Reverb, essencialmente, presente no canal Vintage. O canal Burn possui um overdrive capaz de uma dinâmica que vai de um corpo bluesy à demência saturada de distorção.

Super Bassman 300

Super Bassman 300

Super-Sonic 22 (combo, 22 watts)

Super-Sonic 22 (combo, 22 watts)

fender-bassman-810-pro-xl

As colunas são as massivas Bassman 810 NEO, o paredão de um Enclosure 8×10. São oito altifalantes de 10” Eminence, com magnetismo neodymium, atenuador de compressão, capazes de 1,000 watts a 4 ohms. O look é o estilo clássico dos Fender “blackface”.

 

EGITANA