Suga Mama: bandão feminino da Beyoncé

Suga Mama: bandão feminino da Beyoncé

Nero

A banda Suga Mama é uma “cena”. Electricidade e brilho femininos com a guitarrista Bibi McGill, a baixista Lauren Taneil, a teclista Rie Tsuji [directora musical] e a baterista Cora Coleman-Dunham [a líder].

O combo é ainda acompanhado pelo trio de sopros com Katty Rodriguez-Harrold e Adison Evans [saxofone tenor e alto, respectivamente] e a trompetista Crystal J. Torres. Serem mulheres é uma particularidade, estamos a falar de músicas com méritos inquestionáveis e de uma banda supafly, que transpira pinta e groove.

cora coleman-dunham

Cora Coleman-Dunham: A texana tornou-se baterista pelos seus 15 anos e teve formação clássica e jazz. Com um percurso ilustrado por vários projectos em Houston, Cora mudou-se para Los Angeles e deu nas vistas ao vencer aí, em 2003, o Annual National Drum-Off do Guitar Center. A baterista tornou-se residente na banda de Frank McComb e foi vista por… Prince. Cora e o seu marido, o baixista Joshua Dunham, passaram a ser parte dos After Party – banda com a qual Prince actua em festas pós Grammy ou Oscars. «A partir do momento em que dominas os rudimentos é fácil fazê-los dançar», afirma Cora.

A baterista prova essa ideia no seu kit DW Collector’s Series [Bombo 22″ x 18″ com subkick 22″ x 8″; tarola 13″ x 5″, mais uma secundário de 12’’ x 6’’; timbalões 8″ x 5″, 10″ x 5″ e 12″ x 6″; timbalões de chão 14″ x 11″ e 16″ x 14″]. Nos pratos é endorser Sabian com um 13″ AAX X-Celerator Hi-Hat, 8″ HH Splash, 10″ HHX Splash, dois 16″ Spiral Prototype, 18″ HHX Evolution O-Zone Crash, 10″ AA Rocktagon Splash, 18″ HHX X-Treme Crash, 21″ Vault 3-Point Ride, 12″ Chopper, 14″ HHX Evolution Mini-Chinese e um 12″ Signature MaxStax. Cora usa ainda o sistema Roland SPD-S.

Rie Tsuji com Dani Ivory (teclista secundária) à sua direita. © Cody Orell

Rie Tsuji com Dani Ivory (teclista secundária) à sua direita. © Cody Orell

Rie Tsuji: Antes de se tornar directora musical das Suga Mama, Tsuji tocou com Eric Benet e Sasha Fierce. Passou a infância no Japão, filha de pai violinista e da mãe pianista. A sua mãe era professora a Yamaha Music School, mas nunca considerou boa ideia ser ela própria a ensinar a filha e assim Tsuji foi inscrita na mesma escola, junto de outras crianças. Completou a formação clássica no Tokyo College of Music e, inebriada pelo jazz norte-americano, conseguiu convencer os pais a abandonar o mundo clássico e increver-se na Berklee College of Music, em Boston. Em 2006, junto de outros 30 músicos, fez a audição, em New York, para Beyoncé (com Jay-Z a assistir).

Desde 2011 que é a directora musical e trabalha directamente com Beyoncé no planeamento dos concertos e desenvolvimento de arranjos. Na actual digressão, Mrs. Carter World Tour, Tsuji tem um solo durante a setlist. Tsuji usa um par de workstations da Korg, a poderosa Kronos, e o Roland Fantom X7.

x_bibimcgill

Bibi McGill: Natural do Colorado, pegou na guitarra aos 12 anos. Sempre com o funk e soul na mente, a guitarrista confessa-se inspirada por Earth, Wind and Fire, por Mandrill ou Commodores. Auto-didacta, foi no mundo do hard rock, em play along com temas de Zeppelin, Sabbath ou Pantera, que desenvolveu a sua agressividade. Um dos seus guitarristas favoritos é Randy Rhoads. O segundo passo foi o curso de Music Scoring and Arranging, na University of Colorado. O terceiro foi a mudança para Los Angeles, subindo a palcos como o The Viper Room ou o Whisky A Go Go e, como manda a lei, a “esganar-se” para pagar a renda.

Em 2001 tornou-se a guitarrista de digressão de Pink, que acompanhou até ser escolhida para as Suga Mama. Endorser da Gibson, usa SG, Les Paul, Flying V, Firebird, the lot. A amplificação é Vox e os efeitos são Digitech e Line 6.

lauren taneil

Lauren Taneil: A baixista aprendeu a tocar com o seu pai. Depois, seguindo os álbuns clássicos do funk, ryhthm & blues ou gospel e sob a influência de “gente” como Quincy Jones ou Prince, ou de génios do baixo como Marcus Miller e Jaco Pastorius, foi-se formando como auto-didacta até surgir a oportunidade de tocar com nomes como Keyshja Cole ou Jill Scott e ser descoberta por Beyoncé – a sua primeira aparição com a diva é no DVD “Live at Roseland”.

Trabalhou também com Beyoncé no tributo a Michael Jackson. A baixista é endorser das DR Strings e, especificamente as Neon (as coloridas), e usa um explosivo Music Man StingRay 5, além de um Little Phatty, da Moog. O baixo é ligado a um processador Line 6 e daí segue, para um pré-amp Avalon DI.

EGITANA