TC Electronic, Spark Booster

TC Electronic, Spark Booster

Nero

A reputação do TC Electronic Spark é plenamente merecida. Um dos melhores boosters que já tivemos oportunidade de experimentar.

É um dos pedais Booster mais celebrados por imprensa e músicos. Bill Kelliher (Mastodon), Steve Morse (Deep Purple) ou o próprio Iron Man, Tony Iommi – não abdicam deste pedal nas suas pedalboards. Compacto, intuitivo e com uma versatilidade muito além do simples acréscimo de 26 dB no sinal.

SPECS

O Spark é um pedal bem simples. Possui controlos para Gain, Level e dois EQs (Bass e Treble), com switch para três modos: Fat, Clean e Mid. As entradas e saídas de jack são mono. O pedal é vendido sem carregador (disponível em separado), com o acesso à pilha através da desmontagem da face posterior. O chassis é resistente, embora o acabamento seja mais sensível. O circuito é True Bypass, respeitando bastante a integridade do sinal original.

SOM & PERFORMANCE

Poderia ser um pedal extremamente básico, um boost de 26 dB ao sinal, para conseguir fazer furar o som de guitarra em momentos específicos. E, no modo Clean, é o que o Spark faz. Acrescenta esse volume ao som, sem alterar o sinal original. Todavia, há ainda os modos Fat e Mid.

PROS Capaz de transparência ou de acrescentar carácter ao sinal. Se gostam de sons sujos, o modo Fat vai fazer-vos delirar. Panóplia de opções dadas pelos 3 modos e pelos EQs.

Os potenciómetros de equalização não possuem uma acção muito alargada, nem se pretende que assim seja, afinal, a maioria dos pedais booster limita-se a ser um footswitch com um potenciómetro de gain. Mas para o modo Mid podem fazer a diferença entre os leads soarem com alma ou como um guitarrista de banda de baile nas festas populares (com todo o respeito por esses guitarristas, mas torcendo o nariz à estridência de médias que emerge em quase todos os PAs por essas aldeias de Portugal).

O modo Mid está desenhado para manter o som bastante punchy em leads. E cumpre essa função sempre com muita transparência sonora, embora com esse carácter activado comece a surgir uma alma sonora dentro do rock clássico no pedal. Um carácter que se torna extraordinário se activarem o switch para o modo Fat. Aí emerge alguma sujidade no pedal, dotando o som duma robustez cativante. O seu carisma sonoro e acção nos single coils de uma Strat (como usámos no teste) torna-se mesmo irresistível – o problema será desactivar o pedal e voltar ao sinal original.

CONS Se tudo o que precisam num Booster é do acréscimo de Gain, esta unidade é desnecessária.

Se precisam de um Booster que vos dê mais opções de controlo e definição sonora, o Spark é esse pedal!