Yamaha MGP24X

Yamaha MGP24X

Paulo Basilio

Excelente para ensaios e home studio e a piscar o olho a situações onde é preciso ser pro!

A MGP24X é um dos modelos topo de gama da renovada série MGP da Yamaha. Como os outros modelos da série é mais orientada para o circuito do home studio, sala de ensaios ou pequenas aplicações ao vivo. A cena (e é grande cena) é que a 24X responde a tudo isto, mas apresenta características bem profissionais!

Como o nome indica, a MGP24X possui 24 canais de mistura (16 mono e 4 stereo), mais os 4 Buses de grupo. Há 6 Sends Auxiliares, mais 2 de efeitos e uma saída Matrix. Os processadores on-board são o REV-X, com 8 programas e controlo de parâmetros, e o SPX, com 16 programas e controlo de parâmetros também. As entradas de micro são 16 (HPF: 100Hz 12dB/oct). Cada um dos canais possui Phantom Power nos 48V. Há aí a novidade, que explicamos abaixo, de In/Out digital, via USB ou para iPod/iPhone.

O total de distorção harmónica é 0.02% (20Hz-20kHz@ +14dBu). Já a resposta de frequências situa-se em +0.5/-1.0dB 20Hz – 20kHz, referentes ao nível de saída nos 1kHz.

yamaha2

yamaha3

SOM & PERFORMANCE

A série MGP surge equipada com o mesmo motor de som, com o mesmo tipo de prés classe A. A Yamaha incorporou nesta gama os D-Pres que são parte das colossais DM1000/ 2000 ou Série PM. Em termos de circuito a 24X vem totalmente renovada. Além dos D-Pres, a Yamaha incorporou um novo sistema de equalização que consegue ser mais aprimorado em relação aos modelos anteriores. O D-Pre consiste num circuito Darlington invertido que, sem entrar em grandes matemáticas, é muito útil, principalmente em situações ao vivo. Este tipo de circuito consegue um headroom muito maior antes do microfone começar a realimentar com as colunas e a provocar feedback.

Os processadores de efeitos são o SPX e o REV-X. São 16 canais mono, equipados com os D-Pres, e 8 canais com a tecnologia de compressor progressivo, apenas com um knob da marca. Os canais possuem o EQ de três bandas, com um deles paramétrico, e 4 + 2 auxiliares que podem ser encaminhados para os efeitos, ou não – existe um botão selector para usar como auxiliar normal ou enviar para os efeitos. Na saída temos 4 grupos de Buses que podemos encaminhar para duas matrizes, uma óptima solução se estivermos a usar um PA modular (com crossover, subwoofers, etc) ou para várias soluções de transmissão – pode funcionar para broadcasting ou uma situação ao vivo em que necessitemos de uma segunda saída para gravação.

A grande novidade, particularmente neste modelo, é o I/O digital poder incorporar directamente uma pen ou disco rígido USB2 ou mesmo os sistemas Apple (iPod, iPhone). Isto permite não só fazer playback como gravar directamente as misturas – o final da via stereo do Master vai directamente para a pen. Com os sistemas da Apple podemos aceder à playlist do aparelho ou, tal como na função USB, gravar directamente a mistura.

Outra novidade bem “sacada” é que a Yamaha deixou duas pistas para trabalhar directamente com estas entradas digitais. São duas pistas stereo, a que também podes ligar entradas analógicas, podemos misturar sinais analógico/digital e podemos aceder directamente, se acrescentar cabos, aos aparelhos que estiverem ligados no I/O digital.

O nosso exemplo de demonstração (ver os vídeos) combina bateria, guitarra e voz. A 24X mostrou-se de uso bem intuitivo!