10,000 Russos

10,000 Russos

2013-10-31, Casa Independente, Lisboa
Nero
8

“Lokomotiv Gobi”, “Kokoshkva Mitrovice”, “CSKA Putin”, “The Battle of Montevideo” e “Spartak Hunger”. A estética fonética reporta-nos para uma altura em que o mundo não era uma aldeia global e em que, controlado o belicismo, a guerrilha ideológica se fazia nos campos sociais, culturais, artísticos. Um mundo de ideias mais fortes e, talvez, mais fáceis de interpretar. Ou simplesmente a ideia de que tudo isso era um disparate. Churchill, Roosevelt e Stalin como ícones pantomineiros.

A setlist dos 10,000 RUSSOS não é nenhum manifesto, mas ilustra uma certa guerrilha com a devoção programada ao revivalismo do blues/garage rock ou ao louvor imediato a qualquer denominação que integre o termo post. Na Casa Independente, a banda demonstrou aquilo que os Black Keys, em jeito de referência, poderiam ter sido – se tivessem desenvolvido o seu som com uma atitude mais punk e menos tradicionalista.

Há uma beleza ideológica na violência guerrilheira dos níveis de estridência, nas frequências do som, que a dupla debita em palco. Um lirismo indie – há coisas que a Pitchfork ainda não catapultou para o hype. Há também, nessa estridência, a sensação de sermos convidados numa jam psicadélica e de podermos assistir a uma bad trip sem sofrermos os efeitos colaterais.