A Place To Bury Strangers… e guitarras!

A Place To Bury Strangers… e guitarras!

2014-09-13, Reverence, Valada
Nero
9
  • 9
  • 7
  • 8
  • 10

A actuação dos A Place To Bury Strangers, no Reverence, foi um dos melhores concertos do ano. Uma tempestade eléctrica, carregada de volume e guitarras partidas.

Os amplificadores custom, construídos por uma pequena empresa, especializada em pedais, chamada Death By Audio, eram prova de que os A Place To Bury Strangers seriam a banda mais desfasada do vibe do palco Reverence. A experimentação não se situava tanto no psicadelismo estético, mas no desafio sónico. Não venceram a guerra do volume, mas venceram a do som. Oliver Ackermann e Dion Lunadon soaram como dois rolos compressores de distorção, dinâmicos e com espaço, com poder e precisão.

Instigados pelo pulsar maquinal das baterias de Robi Gonzalez, Ackermann e Lunadon conseguiram criar uma tremenda tempestade eléctrica, pesada, épica e melódica

Conseguiram contrariar uma tendência que se impôs a muitas bandas. O set, relativamente curto, não teve quaisquer tréguas. A partir do momento que se ouviu “Deadbeat”, a fúria da banda jamais esteve contida e foi, inclusivamente, descarregada nos instrumentos. E o que doeu ver Ackermann destruir, literalmente, uma Jaguar. O modelo, já de si “sovado” por anos de abuso, com uma configuração tão intrigante como ressoante e agressiva [dois lipsticks, com o do braço envolto em fita], foi arremessado e partido em dois.

Lunadon haveria de fazer o mesmo com o seu Precision. Instigados pelo pulsar maquinal das baterias de Robi Gonzalez, Ackermann e Lunadon conseguiram criar uma tremenda tempestade eléctrica, pesada [ora grave, ora estridente], épica e melódica. No final, o trio deu um dos melhores concertos do Reverence Valada. Aliás, deu mesmo um dos concertos do ano.

SETLIST

  • Deadbeat
    Dead Moon Night
    Alone
    You Are the One
    Drill It Up
    I Lived My Life to Stand in the Shadow of Your Heart
    Ocean