AC/DC, Tempestade Eléctrica!

2016-05-07, Passeio Marítimo de Algés, Lisboa
Nero
9
  • 9
  • 9
  • 7
  • 10

Primeiro foi o estado de saúde de Malcolm Young, com muita imprensa musical nacional a falar no fim da banda (algo que a Arte Sonora, desde logo, negou). Depois foi o bizarro processo que levou Phil Rudd para trás das grades. Já este ano, Brian Johnson foi afastado da banda e surgiu uma enorme onda de dúvidas, junto do público, que se tornaria em intensa indignação quando Axl Rose foi anunciado como o novo vocalista. Depois a celeuma dos bilhetes. E no dia do concerto, mais um mar de queixas devido à intempérie meteorológica que se fez sentir.

Depois de tantas tempestades em copos de água, os AC/DC criaram a única tempestade que interessa realmente, uma trovoada de guitarras e estridência eléctrica. Um dos concertos mais polémicos de sempre no nosso país, tornou-se num concerto inesquecível, numa demonstração arrasadora dos predicados simples que tornam os AC/DC numa das maiores e mais resilientes bandas da história do rock.

A performance de Axl Rose gerava várias expectativas, as gravações amadoras de ensaios da banda pareciam prometedoras, mas nada fazia esperar que, até pela caricata cadeira de rodas em que surgiu sentado, o vocalista de Guns N’ Roses arrasasse a cantar os hinos de AC/DC. “Rock Or Bust” fez explodir os agudos estridentes de Rose nos ouvidos dos mais cépticos, “Shoot To Thrill” e “Hell Ain’t A Bad Place To Be” confirmaram que o vocalista ia estar à altura da banda.

Então Rose pergunta a Lisboa se está «pronta para aumentar a potência». E quando rebentou “Back In Black”, a passagem de testemunho estava completa! O uber clássico que, na época, trouxe Brian Johnson para o lugar do falecido Bon Scott, legitimava agora Axl Rose na sua estreia pelos AC/DC. Mas mais impressionante que se mostrar capaz de enfiar a bóina de Johnson, foi a forma como trilhou as autoestradas infernais de Scott e como a sua voz deu vida a alguns clássicos pouco usuais, como “Rock ‘n’ Roll Damnation” e a mega surpresa perto do final, com “Riff Raff”.

E a banda? Se Phil Rudd tem mais boogie, Chris Slade tem mais poder! A forma como projecta a banda, como ficou imortalizada a sua propulsão em “The Razor’s Edge” e no fantástico “Live”, em Donington, esteve presente pela primeira vez no nosso país, que apenas havia visto a banda com Phil Rudd. Claro, é uma questão de gosto – um é subtil o outro é explosivo. E, talvez, numa dia desgraçado como o de ontem era preciso um baterista que fizesse explodir banda e público. É como se, com Slade, o próprio Cliff Williams e a sua postura tradicional de execução ganha um corpo mais pesado. A secção rítmica soa mais parecida com a agressividade de uma dupla bem famosa que se inspirou nos AC/DC em primeiro lugar: Alex Van Halen/Michael Anthony.

Stevie Young preocupou-se em emular o comportamento, som e eficácia do seu tio Malcom, enquanto o outro tio, com Axl ou Johnson ou Scott, é sempre a alma da banda e dos concertos. Talvez pelos 60 anos, talvez por tanto stress acumulado nos últimos dois anos. Angus parece fisicamente débil, mas o guitarrista tem o Diabo no corpo! Um pouco mais sujo a tocar, com algumas imprecisões, mas com uma energia inigualável na pentatónica. Com a guitarra na frente do som todo e com o som carregado de boost nas frequências médias/altas, para ajudar a distorção da voz de Axl, a guitarra de Angus soou infernal. A banda soou dentro do cânone, como Axl apresentou “Let There be Rock”, «vamos ser um pouco bíblicos»!

Tudo isto, a banda fê-lo após todas as tempestades em copos de água dos últimos tempos e Axl fê-lo… sentado!

Um grande concerto, que fica na história da música e do nosso país que, provavelmente, viu os AC/DC pela última vez. Pelo menos aqueles que, como a banda, se estão marimbando para queixinhas e tudo o que não seja Rock!

SETLIST

  • Rock or Bust
    Shoot to Thrill
    Hell Ain’t a Bad Place to Be
    Back in Black
    Got Some Rock & Roll Thunder
    Dirty Deeds Done Dirt Cheap
    Rock ‘n’ Roll Damnation
    Thunderstruck
    High Voltage
    Rock ‘n’ Roll Train
    Hells Bells
    Given the Dog a Bone
    Sin City
    You Shook Me All Night Long
    Shot Down in Flames
    Have a Drink on Me
    T.N.T.
    Whole Lotta Rosie
    Let There Be Rock
  • Highway to Hell
    Riff Raff
    For Those About to Rock (We Salute You)