8

Alex Cameron

Jumping The Shark

Secretly Canadian, 2016-08-19

EM LOOP
  • Happy Ending
  • Gone South
  • Take Care Of Bussiness
Hugo Tomé

Sem retirar qualquer destaque, significado ou relevância ao que mais importa, a música, a realidade é que quanto mais distinta, peculiar e enigmática for a figura de quem a fabrica, mais interessante, atractiva e satisfatória se torna a sua experiência. E pouco importa se a persona é original ou repetente, espectacular ou deprimente, o que importa é ser diferente. Quanto mais intrigante, mais fascinante. E Alex Cameron sabe disso.

Porque a música não vale só por uma parte, vale por um todo.

De fato desabotoado, cabelo puxado e sapatos afiados, Alex Cameron não só é uma personagem, como faz música à sua imagem. De Nick Cave e Ian Curtis “rouba” a voz, a escuridão e a condição. Da sua pessoa acrescenta a história, o jogo de cintura e a imaginação. No tempo, “Jumping The Shark” encontra-se algures entre os finais dos anos 70 e início dos anos 80. No estilo, encontra-se algures entre synthpop, electrónica lo-fi e experimentalismo. Sintetização, fusão e simples composição fazem um bom disco.

Mais que isso só o individuo anteriormente descrito. Porque a música não vale só por uma parte, vale por um todo.