Danko Jones & Baroness: Choques Eléctricos

Danko Jones & Baroness: Choques Eléctricos

2019-10-10, Coliseu dos Recreios, Lisboa
Rodrigo Baptista
Joana Cardoso
7
  • 7
  • 8
  • 7
  • 6

Em noite de aniversário do vocalista John Baizley, os Baroness deram um concerto morno no Coliseu dos Recreios para um público que não era necessariamente o deles. Nem de Danko Jones, na verdade, que após ausência de seis anos merecia uma sala mais composta e mais tempo em palco.

Às 19:30 em ponto, Danko Jones & Co. sobem ao palco para se apresentarem perante um Coliseu ainda muito despido (nem metade da sala estava composta). No entanto, o grupo de Toronto demonstrou logo ao que veio, disparando “I Gotta Rock”, do álbum de 2017, ” Wild Cat”.  Com um som muito embrulhado e com uma plateia também ainda algo tímida, o que valeu mesmo foi a entrega e a energia que emanava no palco, não só através do próprio Danko Jones, mas também do baixista John “JC” Calabrese.

O primeiro momento de euforia, se é que assim podemos dizer, surgiu só com a malha “First Date” presente no álbum “Sleep Is The Enemy”, editado em 2006. De seguida, Danko Jones veio até ao microfone não só para agradecer ao público presente, mas também para se desculpar em relação à prolongada ausência da banda no nosso país, o último concerto datava de 2013, no já extinto TMN Ao Vivo (a última vez que entrevistámos Danko e que em breve recordaremos).

A efemeridade do concerto foi algo que deixou a muitos dos presentes, nomeadamente aos fãs da banda, um certo “sabor amargo”. Foram apenas 30 minutos que souberam a pouco, houve até quem reclamasse a sua posição no alinhamento, mas não havia nada a fazer. As despedidas foram feitas ao som de “My Little RNR”.

Ultimamente mais assíduos nos nossos palcos, os Baroness regressaram a  Portugal, passado um ano do seu último concerto em Lisboa, para se apresentarem no Coliseu como uma das bandas de suporte à tour dos Volbeat. A actuação do grupo de Savannah não foi a mais bem sucedida em terras nacionais, o que não coloca em causa a qualidade dos músicos enquanto intérpretes ou compositores, mas vai deixando cada vez mais saudades da noite triunfal no Garage, em 2016.

Depois, a sonoridade algo vanguardista presente na música dos norte-americanos não combina com a dos dinamarqueses, o que levou a que alguma parte do público que se encontrava na sala para ver Volbeat não se mostrasse bastante receptivo às correntes alternativas e progressivas da banda de John Baizley. Assim, se no caso dos Danko Jones cerca de 30 minutos de concerto foi considerado pouco, no caso dos Baroness a hora de atuação apresentou-se como algo excessiva. A comemoração em pleno palco do aniversário do vocalista John Baizley, levou a que o público se unisse a cantar, mas  não foi suficiente para arrancar um maior entusiasmo da plateia para o resto do concerto.

Uma banda como os Baroness merece ser reconhecida, no entanto temos que admitir que este não foi o contexto ideal para o reencontro com os seus fãs nacionais, nem para “recrutar” novos ouvintes.

SETLIST

  • DANKO JONES
  • I Gotta Rock
  • Fists Up High
  • First Date
  • Full Of Regret
  • Burn In Hell
  • Had Enough
  • My Little RNR
  • BARONESS
  • Kerosene
  • March To The Sea
  • Borderlines
  • Tourniquet
  • Can Oscura
  • Front Toward Enemy
  • Throw Me An Anchor
  • If I Have To Wake Up (Would You Stop The Rain?)
  • Shock Me
  • Isak
  • Take My Bones Away