Basset Hounds, Twang Is The New Black

Basset Hounds, Twang Is The New Black

2015-07-09, Passeio Marítimo de Algés
Nero
8
  • 8
  • 7
  • 8
  • 9

Na verdade, foi tudo muito normal no concerto dos Basset Hounds…

O selo de qualidade transportado, normalmente, no Black Sheep; a capacidade criativa que a cena mais underground do rock português possui actualmente; e aquela capacidade de nos surpreender pela elasticidade sonora, tão normal, numa geração de músicos que ganhou a ferramenta da internet, de poder ouvir carradas de géneros, de bandas, em vez de se manter estanque nas suas influências.

Desfile de ideias alternativas e de instrumentos alternativos. Desfile de canções estridentes, mas sempre orgânicas. Daquele twang Danelectro, em versão 12 cordas, e o mojo de um Fender Jazz Bass. Aliás, no coreto, até ao último concerto, no último dia, os Basset Hounds possuíram o título de melhor som de baixo naquele espaço e só o perderam para Raury, que fez aquele Hartke esganar-se.

O novo álbum, apenas com os singles “Swallow Bliss” e “Over The Eyes” cá fora, fez-se soar ao vivo, abrindo água na boca em momentos como aquele, no primeiro tema citado, em que surge o riffalhaço blues que acolhe os solos (harmonizados com pinta). É, foi como surfar sobre pedras, bater com a cabeça e alucinar. Imaginar tiques de Cobain, misturados com Neil Young, numa amálgama dreampop…

Venha daí esse álbum.