Violência Sonora e Catarse

Violência Sonora e Catarse

2017-06-23, RCA Club, Lisboa
Nero
9
  • 8
  • 10
  • 9
  • 9
  • 8

Já se sabe o quão elevados são os níveis de pomada sonora e intensidade física em concertos de hardcore. No entanto, ainda que possa ser redundante referi-lo, a actuação de Code Orange foi verdadeiramente devastadora. Touché Amoré mais sublimes.

Com as trocas de horários, não vimos Somber Rites. E, sucintamente, a actuação dos Carbine foi de uma brutalidade inexplicável, que deixou a sala a ferver!  Já os Code Orange, para a AS, os reis na noite, têm conquistado uma reputação cada vez maior no underground e concertos como aquele que deram no RCA Club ajudam a perceber porquê. Na sua estreia em Portugal, com uma ferocidade extrema na prestação de cada músico, a banda potencia a miscelânea de estéticas presente na sua sonoridade e apenas deu tréguas ao público durante um único tema (num daqueles mais “suaves”, com a voz de Reba Meyers como protagonista), “Bleeding In The Blur”, do último álbum. “Forever”, aliás, foi o olho do furacão na setlist: Forever; Kill The Creator; My World; Bleeding In The Blur; The New Reality; I Am King; Bind You; Slowburn; Spy e The Mud.

Surpreendente é ver o baterista Jami Morgan arrasar quer o drumkit, quer as vocalizações dos temas mais carregados de esteróides. Desde o peso lamacento do sludge a complexas estruturas industriais sincopadas, a banda deu tudo o que tinha no máximo das suas capacidades.

Se já há uma certa aura emo no pós hardcore dos Touché Amoré, mais acentuada ficou em contraste com a violência eléctrica dos Code Orange. Devido à brutalidade do concerto anterior, os maiores rasgos luminosos nas canções dos Touché Amoré soaram com menos impacto. E talvez por isso, a sala se tenha ressentido, com abandono de algum público.

Ainda por contraste, sobressaiu uma certa melancolia, vertida em melodia, desta banda de Los Angeles. Certamente, reflexo de “Stage Four”, o álbum onde o vocalista Jeremy Bolm pratica catarse, em relação à morte da sua mãe. Extremamente emocional e com um som de guitarras cristalino, apesar do menor peso musical, a actuação dos Touché Amoré foi ainda assim fiel às raízes hardcore da banda que assinou também uma estreia em Portugal e um excelente concerto.

Boas bandas, bons discos, bom som, boa sala. Assim é natural os concertos encherem.

SETLIST

  • Flowers and You
    ~
    New Halloween
    The Great Repetition
    Art Official
    Displacement
    And Now It’s Happening in Mine
    DNA
    Amends
    Benediction
    Palm Dreams
    Home Away From Here
    Posing Holy
    Harbor
    Rapture
    Just Exist
    Pathfinder
    Method Act
    Honest Sleep