Crowbar, imundície e amargura

Crowbar, imundície e amargura

2014-07-31, Viveiro, Galiza
Nero
9
  • 9
  • 8
  • 8
  • 9

Nova Orleães, 1988. O Kirk Windstein é um puto e conhece outro puto, o Jimmy Bower. Estão numa banda de harcdcore que acaba. Ficam amigos. Dão mais umas voltas noutras bandas. Em 1991, formam uma lenda…

Perder oportunidade atrás de oportunidade de ver os Crowbar, durante 20 anos, passou de uma enorme frustação a uma grande mágoa. Depois de um concerto como o que a banda deu no Resurrection Fest, pensas: «caramba, podia vê-los todos os anos, não fartava». Menos sujo que aquilo que o seu amigo faz nos Eyehategod, Kirk erigiu um monstro de riffs tão demolidores quanto angustiantes. Assim que levamos com a aspiração de “Conquering”, sentimos o peso daquilo a que os Led Zeppelin chamaram o “martelo dos deuses” – a natureza bélica transposta nas seis cordas.

A voz de Kirk Windstein parece expelir matéria putrefacta dos pântanos de Louisiana

Ao vivo percebe-se melhor aquilo que o som dos Crowbar tem de seminal. Além da voz de Kirk, que parece estar a expelir matéria putrefacta dos pântanos de Louisiana, a forma como a banda quebra os temas e, nas harmonizações dos riffs mais lentos, os torna agridoces, continua inigualável, ao fim de um quarto de século. Amplificadores no prego, uma parede megalítica de som, afinações graves, punk, sludge… Esmagador, o concerto de Crowbar. Agonia “Self-Inflicted”. Há poucas cenas como a NOLA, não se finge o que esse pessoal já passou. Os temas são viscerais, os Crowbar transpuseram-nas com raiva transparente. A ideia de “Obedience Thru Suffering” ou então, esqueçam todas estas considerações, foi apenas o espelho da devoção com que o concerto foi visto.

É verdade que, ao contrário dos Eyehategod, por exemplo, os Crowbar contam com momentos menos inspirados na sua discografia, mas numa setlist de 40 minutos não há qualquer complacência… temas como “Conquering”, “Self-Inflicted”, “Cemetary Angels”, “Sever The Wicked Hand” ou, claro, a confessional “All I Had (I Gave)” embrulharam o Resurrection Fest em imundície, amargura e mau bourbon.